Água e Saúde

Toxoplasmose e criptosporidíase relacionadas à água de consumo e sua importância epidemiológica

 
 
 
 Ana Marina Martins de Lima

 

A toxoplasmose é uma zoonose de ampla distribuição geográfica, sendo encontrada em todos os continentes dos mais variados climas, com variabilidade da freqüência e gravidade de infecção, ligada a diversos fatores, tais como: padrões culturais da população, hábitos alimentares, faixa etária, e procedência urbana ou rural sendo a dispersão do parasita que se dá por vários mecanismos de transmissão; ingestão de cistos presentes em carnes cruas ou mal cozidas, ingestão de oocistos presentes em fezes de felinos que contaminam alimentos e água, manipulação de terra contaminada com oocistos entre outros (AMENDOEIRA, 2003).

A toxoplasmose possui grande importância na saúde pública, sendo suas principais ocorrências os partos prematuros e nascimentos de indivíduos assintomáticos ou com problemas oculares, lesões de pele e alterações cérebro espinhal, estas ocorrem em indivíduos imunocompetentes e em pacientes imunosuprimidos, em decorrência da reativação de formas císticas encontradas em indivíduos com infecções prévias (NEVES, 1995).

Segundo o Ministério da Saúde entre novembro de 2001 e janeiro de 2002, o Brasil registrou o maior surto de toxoplasmose do mundo, ocorrido no município de Santa Isabel do Ivaí – Paraná. Um total de 462 pessoas apresentou sorologia sugestiva para toxoplasmose (IgM reagente). Dentre os acometidos 07 eram gestantes e destas, 06 tiveram seus filhos infectados. A investigação epidemiológica concluiu que a fonte de contaminação era um dos reservatórios de água da cidade que estava contaminada por fezes de um gato que estava eliminando oocisto de toxoplasma. No caso citado, segundo Moura (2006) para diagnóstico clínico foi utilizadas técnicas de ELISA e de PCR.

 

Amendoeira et al (2003), realizou um estudo sorológico para a infecção por Toxoplasma gondii em ameríndios isolados no Mato Grosso, os Enawenê – Nawe, que habitam uma vasta região selvagem, com raros contatos com não índios e não apresentam animais domésticos , inclusive gatos; a análise sorológica foi realizada por meio de ELISA – IgG e IFI – IgG e IgM; de 148 soros 80,4% forma  ELISA ou IFI -0 IgG positivos. Não foram detectados casos de IgM reagentes; sugere-se que a presença de felinos silvestres nas imediações da aldeia e coleções de água poderiam ter um papel importante como fonte de infecção.

A criptosporidíase, outra infecção transmitida pela água, é uma preocupação para a saúde pública por afetar a qualidade de vida, existir cada vez maior número de indivíduos em terapia com imunosupressores, haver um aumento no número de pacientes com SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), não existir droga eficaz e não haver nenhuma remoção eficaz oocistos da água de abastecimento. A criptosporidíase, causada pelo Cryptosporidium spp, é conhecida por sua ocorrência na população humana e animal. Em pacientes imunodeprimidos, no Brasil de 1980 a 1997, foram detectados 2.842 casos entre o pacientes portadores de SIDA, sendo as regiões Norte e Nordeste do país as mais afetadas, mas indivíduos assintomáticos também podem ter a doença (LIMA& STANFORD, 2003).

A descrição do primeiro caso de criptosporidíase humana ocorreu em San Antonio, no Texas, em 1984 e o segundo maior surto norte-americano ocorreu em Carrolton, Georgia, em 1987, onde aproximadamente 13.000 pessoas foram afetadas, em 1988. Em Ayrshire, no Reino Unido, um acidente envolvendo uma pós-contaminação no reservatório de água de abastecimento infiltração de dejetos de bovinos utilizados como fertilizantes provocou um surto de grande importância devido ao número de internações (44,4%) e em abril de 1993, ocorreu o maior surto até então registrado nos EUA, em Milwaukee, Wisconsin, afetando 400.000 pessoas, ficando assim evidente que oocistos de Cryptosporidium podem sobreviver aos processos convencionais de tratamento da água (LIMA & STANFORD, 2004).

Vários surtos da doença foram atribuídos ao consumo da água contaminada, sejam elas submetidas ou não ao tratamento por cloro ou outros processos de decantação e flotação tais como coagulação, sedimentação e filtração de areia.

A criptosporidíase está relacionada à imunidade do hospedeiro deu-se maior importância ao estudo do Cryptosporidium spp. Pacientes portadores do vírus do HIV com células CD4 acima de 200 células/mm3 são capazes de eliminar a infecção, mas aqueles com menos de 100 células CD4/mm3 podem apresentar má absorção de nutrientes e diarréia crônica severa podendo ser letal, além de imunocomprometidos, a criptosporidíase ainda pode afetar crianças de 0 a 5 anos de idade, idosos, desnutridos e pacientes que fazem hemodiálise ou quimioterapia (GOMES, et al, 2002; ROUQUARYON & NOAMAR, 2003).

 De acordo com o Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo (CVE, 2006), em surtos de diarréia ocorridos no período de 2000 a 2005, cerca de 80% foram devido a alimentos contaminados, e quase 10% à água, e dentre estes, 2%, foram atribuídos a problemas ocorridos no sistema de distribuição da água pública ou cloração inadequada. Os agentes etiológicos encontrados nos surtos associados à água são mais freqüentemente parasitas como Cryptosporidium e Giárdia.

Os potenciais riscos à saúde humana decorrentes da presença dos protozoários na água de abastecimento tiveram sua expressão na Portaria 518 de 2004 (Ministério da Saúde), que estabelece os padrões de qualidade da água para ingestão humana. Nesse instrumento, a turbidez é assumida como parâmetro de natureza sanitária, assumindo-se com um índice de contaminação, sendo que sua ausência mostra maior eficiência da desinfecção na eliminação de bactérias e vírus e por outro, é indicativa da remoção de oocistos de protozoários pela filtração. São recomendados reduzidos valores (0,5 UNT) para água filtrada, como precaução para assegurar a adequada eficiência de remoção de enterovírus, cistos de Giardia spp e oocistos de Cryptosporidium sp em instalações compostas por filtros rápidos. (HELLER, et al  2004 ).

 

REFERÊNCIAS

 

AMENDOEIRA, Maria Regina Reis, SOBRAL, Cleide Aparecida Queiroz, TEVA, Antonio et al. Inquérito sorológico para a infecção por Toxoplasma gondii em ameríndios isolados, Mato Grosso. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Nov./Dec. 2003, vol.36, no. 6, p.671-676. ISSN 0037-8682. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822003000600005

Centro de Vigilância Epidemiológica Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. Documento técnico. 2006. 

GARCIA, lynes. Techines for Recovery and Identification of Cryptosporidium oocysts from stool specimens.  Jornal of Clinical Microbiology. Jully 1983, p 185-190.

GOMES, Aparecida H, et al. Pesquisa de Cryptosporidium sp em águas de fontes naturais e comparação em análises bacteriológica. Ver. Instituto Adolfo Lutz. 41 (1); 59 – 63, 2002.

HELLER, Léo, et al Oocistos de Cryptosporidium e cistos de Giardia:circulação no ambiente e riscos à saúde humana. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Revista do Sistema único de Saúde. Volume 13 – Nº 2 – abr/jun de 2004

KOURENTINI, C &  KARANIS. Evolution and applicability of a purification method coupled whit nested PCR for the detection of Toxoplasma oocysts in water. Letters Applied Microbiology. 43 (2006) 475- 481.

LIMA, Erliane de Castro; STANFORT Tânia Lúcia Montenegro. .Cryptosporidium ssp, no ambiente aquático, aspectos relevantes da disseminação e diágnóstico. Ciência & Saúde Coletiva, 8(3): 791-800, 2003.

MARKELL, Eduard K; Jonh, David T; Khotoski, Wojciech. Parasitologia Médica. 3 Edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogam. 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE – SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Nota Técnica. Surto deToxoplasmose no Município de Anápolis – GO. Fevereiro de 2006. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/nota_toxo_corrigida.pdf

MOURA, Leonildo. Waterborne toxoplasmose, Brasil from Field Gene. Emerging, Infectious Diseases. February 2006. V12, No 2,.  Disponível em: www.cdc.gov/eid

NEVE, David Pereira, et al. Parasitologia Humana. São Paulo . Atheneu. 1995.

ROUQUARYON, Maria Zélia Filho; NOAMAT, Almeida. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro. Medsi e Guanabara Koogan. 2003.

SANCHEZ, Petra S. Atualização em técnicas para o controle microbiológico de águas minerais. Apostila do seminário. São Paulo. Mackenzie. 1999.

 

 

3 respostas para Água e Saúde

  1. Gislene disse:

    Gostaria de saber que risco corro com o resultado da toxoplasmose no meu 3º mes de gestaçao, meu bebe corre o risco de surdez, cegueira, mudez enfim que rico meu bebe corre, é a minha 3º gestaçao e estou com 40 anos e alem disso ainda sofre de herpes vaginal… preciso de uma orientaçao e intruçoes para maiores cuidados

  2. TIAGO AUGUSTO TOZZI disse:

    oi tudo bem ? me chamo Tiago Augusto Tozzi e estou fazendo o curso de segurança do trabalho e estou com dificuldades de montar um trabalho sobre toxoplasmose se puderem me ajudar com fotos e qualquer outro tipo de material seria muito grato desde ja agradeço pela sua atenção

  3. Erica disse:

    Otimo gostaria de recerber arquivos sobre o assunto.Pois estou fazendo minha monografia e o tema (toxoplasmose enfase em oftalmologia) caso tenha alguma coisa interesssante favor me enviem
    Att.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s