Referências Bibliográficas

  1. ALBERGUINI, Leny Borghesan A, et al., Laboratório de Resíduos Químicos do Campus USP- São Carlos – Resultados da Experiência Pioneira em Gestão e Gerenciamento de Resíduos Químicos em um Campus Universitário. Qui. Nova, Vol. 26, Nº 2, 291-295, fev. 2003.
  2. ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. Rio de Janeiro: Lumem Júris, 2002.
  3. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n33 de 25 de fevereiro de 2003.
  4. ART, Henry W. Dicionário de Ecologia e Ciências Ambientais. São Paulo: UNESP – Melhoramentos, 1998.
  5. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NORMA ABNT NBR ISO/IEC 17025: 2005 – Requisitos Gerais para a competência de Laboratórios de Ensaio e Calibração. 3ª. Edição. Janeiro de 2001.
  6. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NORMA ISO 14001. Sistema da gestão ambiental- Requisitos com orientações para uso. ABNT, 2004.
  7. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NORMA ABNT NBR ISO 9001:2000 – Sistema de gestão da qualidade – Requisitos.  3 edição. Dezembro de 2000.
  8. BARBIERI, José Carlos. Gestão Ambiental Empresarial: Conceitos, Modelos e Instrumentos. São Paulo: Editora Saraiva 2006.
  9. BARROS, Mario Thadeu Leme de. Gestão de Recursos Hídricos. Apostila do curso de Engenharia Hidráulica e Sanitária da USP. 2003.
  10. BRAGA, Benedito et al.; Introdução a Engenharia Ambiental. Pearsol- Prentice Hall. São Paulo, 2005.
  11. BRAGA, Benedito et al.; Introdução a Engenharia Ambiental. Pearsol- Prentice Hall. São Paulo, 2004.
  12. CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução 357, de 17 de março de 2005.
  13. CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente Resolução n. 001/86
  14. CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente Resolução 306/2002
  15. Constituição da República Federativa do Brasil. Saraiva. São Paulo. 2005
  16. CST – COMPANHIA SIDERURGICA TUBARAO. Educação, ambiente e Sociedade; idéias e práticas em debate. Santa Catarina. 2004.
  17. CUNHA, Carlos Jorge. O programa de Gerenciamento dos Resíduos Laboratoriais do Departamento de Química da Universidade Federal do Paraná. Quím. Nova. Vol. 24, No. 3, 424 -427, mar.2001.
  18. DREW, David. Processos Interativos Homem-Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
  19. DENAMAN, Anelise Swengher, et al., Programa de Gerenciamento de Resíduos dos Laboratórios de Graduação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Das Missões – Campos Erechim. Quím. Nova. Vol. 27, No. 4, 674-671, 2004..
  20. DIAS, Genebaldo Freire. Ecopercepção: um resumo didático dos desafios socioambientais. São Paulo: Gaia, 2002.
  21. DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2006.
  22. DREW, David. Processos Interativos Homem-Meio Ambiente. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, 2005.
  23. EMIDIO, Teresa. Meio Ambiente & Paisagem. SENAC. São Paulo. 2006.
  24. ESTROZI Filho, Agemiro Ecoeficiência. Monografia (Especialização em Gestão Ambiental). São Paulo: Centro Universitário SENAC, 2005.
  25. FERREIRA, Hilbert Pfaltzgriff. Sistema de Gestão da Qualidade – Estudo de Caso: Farm- Manguinhos.(Dissertação).Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro.2004.
  26. FORATINI, Oswaldo Paulo. Ecologia Epidemiologia e Sociedade. São Paulo: Artes Médicas.  2º edição, 2004.
  27. GARCIA, Leila Posenato, RAMOS, Betina Gieh Zanetti. Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Rio de Janeiro: Cad. Saúde Pública., 20 (3):744-752, mai-jun,2004.
  28. GREGORI, Clovis Osvaldo et al., MICHAELIS – Dicionário Escolar de Língua Portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2006.
  29. GUERRA, José Teixeira; CUNHA, Sandra Baptista. Impactos Ambientais Urbanos no Brasil.. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
  30. HARRINGTON, H. James; KNIGHT, Alan. A implementação da ISO 14000: Como atualizar o Sistema de Gestão Ambiental com eficácia. São Paulo: Atlas, 2001.
  31. HESPANHOL, Ivanildo. Potencial de água no Brasil: Agricultura, indústrias, municípios – Recarga de Aqüíferos. Rev. Bras. De Recursos Hídricos, v7. out/dez 2002. 75-95. IAL – V Encontro do Instituto Adolfo Lutz- Encontro Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. Revista do Instituto Adolfo Lutz. V. 62, suplemento 2, 2003.
  32. KLOETZEL, Kurl. O que é meio ambiente. São Paulo, Brasilense, 2 reimpressão, 2002.
  33. LOPES, Ignes Vidigal et al.,Gestão Ambiental no Brasil Experiência e Sucesso. Rio de Janeiro: FGV, 2002.
  34. MANCUSO, Pedro Sanches; SANTOS, Hilton Felício dos. Reúso de Água. Barueri, São Paulo: Manole, 2003.
  35. MIERZA, José Carlos; HESPANHOL, Ivanildo. Água na Indústria: uso racional e reúso. São Paulo: Oficina dos textos, 2005.
  36. MS – MINISTÉRIO DA SAÙDE. Portaria 518 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências.
  37. MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Cortez. São Paulo. UNESCO. Brasília, 2000.
  38. MOTA, Suetonio – Introdução à engenharia ambiental. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária. 2003.
  39. NALIM, José Renato. Ética Ambiental. Campinas: MIllenium,2001.
  40. NASCIMENTO, Fernando Codelo. Apostila do curso de Pós-graduação em Sistema de Gestão Ambiental. São Paulo: SENAC, 2006.
  41. NOLASCO, Felipe Rufine et al., Implantação de Programas de Gerenciamento de Resíduos Químicos Laboratoriais em Universidades: Análise Crítica e Recomendações. Eng. Sanit.ambient. Vol II – No 2 . abr/jun 2006, 118- 124
  42. PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da Qualidade Teoria e Prática. 2º. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
  43. PHILIPPI, Junior, Arlindo, Romero, ANDRADE, Marcelo de, COLLET, Bruna Gilda. Curso de Gestão Ambiental. São Paulo: Malone, 2004.
  44. PHILIPPI, Tatiana Tucunduva. Avaliação ISO 14001: Estudo de Caso no Setor Automotivo. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 2003.
  45. POLITI, Elie. Apostila do Curso de Pós-graduação em Gestão Ambiental – Disciplina: Mecanismo de Produção Mais Limpa. São Paulo: Centro Universitário SENAC, 2006.
  46. PORTARIA N º 485, de 11 de novembro de 2005 (MTE – Ministério do Trabalho e do emprego) – Aprova a Norma Regulamentadora nº. 32 (Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde).
  47. PURIFICAÇÃO, Silene Bueno de Godoy. O controle da poluição das águas nas fronteiras: tratados internacionais e sua exigibilidade na proteção ambiental. Tese (Doutorado em Saúde Pública). Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 2004
  48. RAVEN, Peter H. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan , 2001.
  49. REEVES, Hubert; LENOIR, Frédéric. Mal da Terra. Paz e Terra: São Paulo, 2006.
  50. REIS, Luis Filipe Sanches de Sousa Dias; QUEIROS, Sandra Mara Pereira de. Gestão Ambiental em Pequenas e Médias Empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002
  51. RDC Nº. 306, de 7 de dezembro de 2004 (ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária)- Dispõem sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.
  52. ROBLES Junior Antonio BONELLI, Valério Vitor. Gestão da Qualidade e do meio Ambiente: Enfoque econômico, financeiro e patrimonial. São Paulo: Atlas, 2006.
  53. ROSE, Ricardo. Mercado Brasileiro: Tratamento de águas e efluentes. Gerenciamento Ambiental. São Paulo. Rev. Gerenciamento Ambiental. N.21, p 16-18 ago./set. 2002.
  54. ROSE, Ricardo. Sistema de Gestão Ambiental. Gerenciamento Ambiental. São Paulo. Rev. Gerenciamento Ambiental. N.21, p 43-44 ago./set. 2002
  55. SÁNCHEZ, Luiz Enrique. Avaliação de Impacto Ambiental: conceito e métodos. Oficina dos Textos: São Paulo, 2006.
  56. SANTOS, Rozely Ferreira. Planejamento Ambiental: teoria e prática. Oficina dos Textos: São Paulo, 2004.
  57. SEIFFERT, Mari Elizabete Bernardini. ISO:14001 Sistemas de Gestão Ambiental. São Paulo: Atlas, 2006.
  58. SENAC – Centro Universitário SENAC – Série de estudos do Worldwatch Institute – Vital Signs (Sinais Vitais). Revista: SENAC e Educação Ambiental – ano 15 n.1 setembro/dezembro de 2006.
  59. SENAC – Centro Universitário SENAC – Apostila de curso livre: Primeiros Passos para ISO 14001:2004. São Paulo, 2005.
  60. SCARLATO, Francisco Capuano; PONTIN, Joel Arnaldo. Do Nicho ao Lixo: ambiente, sociedade e educação. São Paulo: Atual Editora, 2006.
  61. SILVA, Demétrios Antônio. Certificação conforme a NBR ISO14001 – Desafio da comunicação para as organizações. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 2004
  62. SILVA, Francisco Adrião Neves Da. Apostila curso de Pós Graduação em Gestão Ambiental, Disciplina Gestão e Tecnologias. São Paulo: SENAC, 2006.
  63. SIMONS, Mônica Osório. Apostila de Educação Ambiental (Curso de Pós Graduação em Gestão Ambiental). São Paulo: SENAC, 2006.
  64. SISINNO, Cristina Lúcia Silveira; MOREIRA, Josio Costa. Ecoeficiência: um instrumento para a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 21(6), nov-dez, 2005.
  65. SLACK, Nigel. CHAMBERS, Stuart. JONHSTON, Robert. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2002.
  66. TAVARES, Glauco Arnold; BENDASSOLLI, José Albertino. Implantação de um Programa de Gerenciamento de Resíduos Químicos e Águas Servidas nos Laboratórios de Ensino e Pesquisa no CENA/USP. Quím. Nova. Vol. 28. N 4, 732-738, 2005.
  67. TEIXEIRA, Wilson. TOLEDO, M. Cristina Motta de. FAIRCHILD, Thomas Rich. TAIOLI, Fabio. Decifrando a terra. São Paulo: Oficina de livros, 2000.
  68. TINOCO, João Eduardo Prudêncio, KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Contabilidade e Gestão Ambiental. São Paulo: Atlas. 2004.
  69. TRANI, Eduardo. Políticas Públicas e Planejamento Ambiental- Estudos de Caso no Estado de São Paulo. (Apostila do Curso de Gestão Ambiental). São Paulo: SENAC, 2006.
  70. VARGAS, Heliana Comin; RIBEIRO, Helena. Novos Instrumentos de Gestão Urbana. São Paulo: EDUSP, 2001.
  71.  VALLE, Cyro Eyer do. Qualidade Ambiental: ISO 14000. 5º ed.. São Paulo: SENAC, 2004.
  72. VILELLA Junior, Alan; DERMAJOROVIC, Jaques. Modelos e Ferramentas de Gestão Ambiental: Desafios e perfectivas para as organizações. São Paulo: SENAC, 2006.
  73.  ZENEBON, Odair, PASCUET, Neus Sadocco.Métodos físico-químico para análise de alimentos. IV Edição. Brasília

5 comentários em “Referências Bibliográficas

  1. Gostaria, se possível, de receber uma cópia da monografia, tenho interesse na área de gerenciamento de resíduos químicos. Muito Obrigado

    Curtir

  2. Sou academico do curso de licenciatura em geografia e gostaria de poder obter maiores informaçoes sobre os marcos referenciais e instrumentos legais da EA. Desejo ainda parabeniza-los pela nobre iniciativa.

    Curtir

  3. Gostaria, caso tenha ou saiba, de indicação de livros ou textos sobre meio-ambiente e som. Melhor se for urbano. Estou escrevendo artigo sobre musica e a audição do meio ambiente. Definiçoes sobre meio-ambiente que ajudem na elucidaçao desse conceito também seriam de grande ajuda.
    grato,

    Renato Cardoso

    Curtir

  4. Gostaria de receber arquivo em pdf, do trabalho na íntegra para usá-lo como material didático em minhas aulas de gestão ambiental.

    Att

    Lucy

    Curtir

  5. Sou iniciante no curso superior de gestão em turismo. Gostaria de receber informações para que eu possa fazer meus trabalhos intra disciplinares que no momento são demanda e comunidade; diagnóstico ambiental e sociologia no turismo
    obrigada

    Curtir

Espaço para sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s