Nova publicação da ONU conta as experiências de dez defensores de direitos humanos sob proteção do Governo brasileiro

Por: Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil | UNIC Rio

Dez defensores de direitos humanos sob proteção especial do Governo brasileiro contam suas histórias em uma publicação lançada no final de 2012 pelas Nações Unidas no Brasil em parceria com a Embaixada do Reino dos Países Baixos, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e a Delegação da União Europeia no Brasil.

A série de entrevistas, reunidas no documento “Dez faces da luta pelos direitos humanos”, apresenta denúncias na voz dos defensores de direitos humanos do País, as motivações de luta e os percalços inerentes à atuação de cada um.

As histórias desses homens e mulheres representam as experiências de todos os defensores incluídos e acompanhados pelo Programa Nacional e pelos Programas Estaduais de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos. As atuações cobrem áreas distintas: direito à terra, à vida, à um tratamento adequado e não violento, ao meio ambiente, à manutenção de comunidades tradicionais, indígenas, quilombolas e de pescadores.

A publicação é uma iniciativa inspirada na Declaração sobre Defensores dos Direitos Humanos, de 9 de dezembro de 1998, quando os países afirmaram a responsabilidade de todos no que diz respeito a promoção e a proteção dos direitos humanos.

No Brasil após a Declaração de 1998, os brasileiros foram os primeiros e únicos no mundo a contar com um Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, executado pelo governo desde 2004. Ligado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, reconhece a importância dos defensores para a efetivação dos direitos.

Em 2007, outro grande avanço aconteceu com a instituição da Política Nacional de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos. Atualmente, está presente em oito estados brasileiros: Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Ceará.

O defensor é atendido por equipes técnicas estaduais ou federais, são monitorados, têm o risco e a situação de ameaça em que se encontram avaliados periodicamente. Visitas no local de atuação do defensor, atendimento psicossocial, acompanhamento das investigações e denúncias fazem parte do Programa, além de articular medidas de proteção com órgãos de defesa e segurança. Excepcionalmente, é feita a retirada provisória do defensor do seu local de atuação em casos de grave ameaça ou risco iminente.

Leia abaixo um resumo das histórias contadas pelos dez defensores de direitos humanos à ONU no Brasil. Continuar lendo “Nova publicação da ONU conta as experiências de dez defensores de direitos humanos sob proteção do Governo brasileiro”

El gran negocio agroalimentario

Por Vicent Boix – Investigador asociado de la Cátedra “Tierra Ciudadana – Fondation Charles Léopold Mayer”, de la Universitat Politècnica de València.

(Texto correspondiente a la Introducción del libro Piratas y pateras)

Tradicionalmente, el campesinado se ha caracterizado por cultivar alimentos destinados al consumo propio y a los mercados locales, llevando a la práctica un tipo de agricultura respetuosa con el medio ambiente y cimentada en unos conocimientos agronómicos que se han transmitido de generación en generación. En muchos lugares el campesino o pequeño agricultor, con el tiempo se fue abriendo al mercado. El objetivo ya no era cultivar para comer, sino hacerlo para vender la siembra y poder comprar la comida y otras necesidades. La denominada “revolución verde”, acaecida a mediados del siglo XX, favoreció este proceso ya que consiguió aumentar la productividad, gracias a la mecanización del campo y a la utilización de semillas mejoradas y productos químicos. El otrora agricultor libre, se hizo dependiente de los “paquetes tecnológicos” y de las exigencias de los mercados.

Inicialmente muchos pequeños agricultores lograron sobrevivir e incluso progresar, aunque con la expansión de las políticas neoliberales, la agricultura tradicional y campesina ha entrado en una clara recesión. Según datos de la Organización de las Naciones Unidas para la Agricultura y la Alimentación (FAO, por sus siglas en inglés), la agricultura ocupaba al 52% de la población económicamente activa a nivel mundial entre los años 1979 y 1981, porcentaje que disminuyó hasta el 40% en 2010. Igualmente, la población rural mundial que en 1979-81 sumaba el 61% del total cayó en 2010 hasta el 49%.  Por el contrario, en ese mismo intervalo de tiempo las exportaciones y las importaciones agrícolas se multiplicaron por cinco, lo que viene a indicar que el modelo agrícola exportador e intensivo está expulsando a los agricultores del campo.

Y es que el principal problema que enfrenta la agricultura agroexportadora, entendida como una mercancía más dentro del supermercado global, es que las diferentes fases de la cadena agroalimentaria (semillas, insumos, intermediación, distribución, transformación, venta, etc.) se concentran cada vez en menos manos, y esta situación de oligopolio da fuerza a estas “manos” que determinan todo tipo de condiciones.

Según la Rural Advancement Foundation International (renombrada como “Grupo ETC”) el 67% del comercio mundial de semillas era manejado en 2007 por 10 grandes multinacionales (DuPont, Syngenta, Limagrain, Bayer, etc.). Solo Monsanto detentaba casi el 25%. De acuerdo con la misma fuente, 10 empresas controlan el 89% del comercio de agroquímicos (Bayer, Syngenta, Dow, Monsanto, etc.). De ellas, las seis más poderosas también participan del negocio de las semillas.

En 2008, año en el que se produjo la primera de las crisis alimentarias de este siglo XXI, las empresas transformadoras lograron importantes réditos según la Genetic Resources Action International (GRAIN): “…las ganancias de Nestlé de 2008 subieron un impresionante 59 por ciento, y el incremento de Unilever se acercó al 38 por ciento”.  Durante esos meses también aumentaron los precios de los agroquímicos, por eso muchos agricultores no pudieron adquirirlos y sus plantaciones intensivas sufrieron pérdidas. Pero, Monsanto aumentó sus beneficios un 120% respecto a 2007, Bayer un 40%, Syngenta un 19% y Dow un 63%.

Estos eslabones de la cadena alimentaria (agroquímicos y semillas) no son los únicos que han logrado aumentar sus réditos. Otro muy importante, que ha provocado la desesperación de millones de agricultores es la intermediación, es decir, el eslabón que acerca los alimentos del campo al supermercado. La situación en este caso es similar a los anteriores. Unas pocas empresas, tanto a nivel nacional como internacional, están situadas entre millones de agricultores que producen alimentos y millones de consumidores que los adquieren. Algunas de ellas los transforman, y según ETC, el 26% del mercado mundial de comestibles empaquetados es colmado por 10 transnacionales (Nestle, Pepsico, Kraft, Coca-cola, Unilever, Danone, etc.).  En frutas y verduras sin transformar, la intermediación es entre los mayoristas y minoristas, y en otros casos es la distribución moderna (supermercados) quién adquiere directamente los productos del agricultor o del mayorista.

En cualquiera de los tres casos mencionados, la tónica general es que la intermediación, la transformación o la distribución moderna, haciendo gala de su posición dominante en la cadena alimentaria, imponen unos precios de compra irrisorios al agricultor y se los incrementa al consumidor logrando una plusvalía en algunos casos insultante.

Las materias primas en el siglo XXI, una gran inversión

En las últimas décadas, la desregulación en los mercados provocó que las inversiones productivas en la economía real fueran perdiendo peso en favor de las inversiones financieras, que acamparon en diversos mercados para succionarlos y luego escapar de las crisis que creaban en busca de nuevos mercados. A la inversión financiera se le achaca, entre otras, la “burbuja de las punto.com” y la “crisis de las subprime”.

En la búsqueda de inversiones seguras el capital financiero aterrizó en los mercados de futuros, donde alimentos y materias primas agrícolas son una parte muy importante del mismo (también se negocia con petróleo, metales, etc.). Como ejemplo podríamos plantear el siguiente caso hipotético: una cooperativa de agricultores acude a uno de estos mercados y, tras negociar con una empresa de harina, vende 30 toneladas de trigo, a entregar en enero de 2014 y a un precio de 225 dólares la tonelada. Para ello se firmaría un “contrato de futuro”, es decir, un título en el que se detalla la transacción. Importante subrayar que en los mercados de futuros no se negocian mercancías físicas (trigo) sino contratos para vender/comprar mercancías físicas futuras (trigo en enero de 2014).

Estos mercados nunca estuvieron exentos de la especulación y otras prácticas alejadas del comercio real de materias primas, ya que los contratos sobre mercancías futuras dan mucho margen a la variación de precios antes de la fecha de entrega real. Pero como se decía, diversas medidas liberalizadoras junto a crisis en otros mercados, originó que el capital financiero (fondos de cobertura, de pensiones, etc.) invirtiera a gran escala en los mercados de futuros. Los activos financieros en materias primas crecieron de los 5.000 millones de dólares en el 2000 a 450.000 millones en 2011.

Desde entonces el mundo vive en tensión debido al incremento de los precios de los alimentos que originó una crisis alimentaria en 2008 y otra inacabada en 2010 que está causando estragos en el Cuerno de África y el Sahel. Desde el principio se intentó esconder el motivo real de las crisis y se argumentó que la causa era el desequilibrio en la oferta y la demanda de alimentos, aunque con el tiempo y ante los hechos la realidad se hizo visible. Como se ve en la gráfica, existe una relación palpable entre la actividad inversora y el incremento de precios. Y la realidad es que mientras en el África Subsahariana está muriendo gente de hambre, el grupo de inversión Goldman Sachs ganó más de 5.000 millones de dólares en 2009 especulando en materias primas, lo que supuso un tercio de sus beneficios netos.

Elaboración propia con datos de GRAIN, FAO e Instituto Internacional de Finanzas.

Elaboración propia con datos de GRAIN, FAO e Instituto Internacional de Finanzas.

La tierra, el último eslabón por controlar

La cadena agroalimentaria en un gran y suculento negocio. Así lo demuestran los balances de ciertas transnacionales, como también queda claro tras analizar el vertiginoso aumento del capital financiero en los mercados de materias primas. Para los inversionistas el futuro es muy esperanzador. Saben que la gente puede dejar de pagar su hipoteca pero siempre tendrá que alimentarse. Además se ha normalizado, se ha institucionalizado y se ha aceptado sin rechistar, un incremento de los precios de los alimentos (y su volatilidad) que se creó artificialmente en los mercados. Desde organismos como la FAO se anuncia y se asume sin más, que la humanidad enfrentará una época de alimentos caros aunque ello suponga aceptar un status quo en el que millones de personas pasan hambre.

Si bien todavía no hay escasez, la ecuación entre la oferta y la demanda de alimentos y materias primas agrícolas tenderá a comprimirse si no se toman medidas, porque sigue creciendo exponencialmente la población mundial, y sobre todo, porque el futuro energético de los países ricos dependerá de los agrocombustibles, todo ello, en un planeta amenazado por un cambio climático que está comprometiendo la capacidad hídrica de muchas naciones, degradando los suelos, alterando la productividad y afectando los rendimientos en diversas zonas típicas de cultivo.

La idea esencial es que, en tiempos de crisis económica y recesión, resulta que la agricultura se presenta como un mercado apetitoso y con un prometedor futuro. La demanda está más que asegurada, es más, crecerá vertiginosamente. La propia FAO ha estimado que la producción mundial de alimentos se deberá duplicar para el año 2050.

La oferta, por el contrario, es el gran pastel a dividir y por ello naciones, inversionistas y transnacionales empiezan a mover fichas para garantizarse su porción. Teniendo en cuenta que ciertos eslabones de la cadena alimentaria exportadora ya están acaparados por multinacionales (semillas, intermediación, etc.) y teniendo en cuenta que los mercados de futuros están atiborrados de inversionistas y especuladores, solo queda un eslabón por conquistar: la tierra ta es imprescindible y hasta el momento es un recurso natural que, dependiendo de países, puede ser más o menos accesible para la ciudadanía. El campesino y pequeño agricultor puede eludir las semillas patentadas, los agroquímicos y los canales tradicionales de distribución; mientras que el consumidor puede evitar las grandes superficies comprando alimentos sanos y de temporada directamente al productor. Para que sigan activos estos canales sostenibles y agroecológicos solo hace falta la tierra, que ahora, está en el punto de mira del capital. He aquí la gran amenaza para la soberanía alimentaria, especialmente en las naciones y comunidades empobrecidas que suelen auto abastecerse a través del auto consumo y de los mercados locales.

Agenda ‘Diário da Natureza’

Por Rui Borralho – Portugal

Termina esta semana a campanha de financiamento colectivo (crowdfunding) que a editora Planeta Vivo e a autora Luísa Nunes lançaram para internacionalizar a bela e informativa agenda ‘Diário da Natureza’ (versões em Português e em Inglês)  .

Quem apoiar esta campanha poderá receber o Diário da Natureza 2013 em casa no idioma que desejar, a um preço menor do que o praticado nas livrarias, autografado pela autora e ainda com um postal de agradecimento produzido a partir de uma das suas belas ilustrações, podendo constituir uma elegante oferta natalícia.

O Diário da Natureza é uma agenda que combina ilustrações particularmente bonitas com informação diversa sobre fauna, flora e ecossistemas, sendo a edição de 2013 dedicada à vida selvagem de África e aos seus habitats. A autora Luísa Nunes é doutorada em Ecologia e professora da Escola Superior Agrária de Castelo Branco, e nesta nova edição do Diário da Natureza contou com o apoio científico do CIBIO – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto e com a participação de Pedro Vaz Pinto, responsável pelo projecto de conservação da Palanca-negra-gigante em Angola (que ilustra a capa desta publicação), um dos mais ameaçados mamíferos do mundo, e que escreveu um texto sobre a sua conservação.

As 4 edições anteriores do Diário da Natureza sempre tiveram muito êxito em Portugal e os promotores desta iniciativa consideraram que o lançamento de uma campanha de crowdfunding é uma via que permitirá internacionalizar esta obra e este conceito, combinando uma componente promocional para um público bem mais alargado com a angariação dos fundos de que necessitam para a publicação do Diário da Natureza em Inglês e em Português.

O sucesso que as diferentes edições do Diário da Natureza têm tido em Portugal, e que se pretende agora globalizar, resultará da combinação da utilidade do Diário enquanto agenda, com a beleza das suas ilustrações e o carácter didáctico dos seus textos, informando e sensibilizando os seus utilizadores para projectos de referência que estão a decorrer em África e sobre a importância e sensibilidade dos ecossistemas africanos

Trata-se de uma campanha de crowdfunding baseada numa lógica de pré-encomendas, em que os próprios Diários da Natureza constituem a grande maioria das contrapartidas que os promotores proporcionam aos seus apoiantes. Esta campanha permite assim que os interessados adquiram o Diário da Natureza de 2013 no idioma que preferirem, a um preço mais baixo do que o praticado nas livrarias, recebendo os livros por correio em sua casa, autografados pela autora e ainda com um postal de agradecimento produzido a partir de uma das suas belas ilustrações http://www.indiegogo.com/NatureDiary/x/825388 .

 

Memória da Imprensa

Site Memória da Imprensa é reformulado

Por Agência FAPESP – Para melhor divulgar seu acervo de jornais e revistas dos séculos 19 e 20, o Arquivo Público do Estado de São Paulo reformulou o site “Memória da Imprensa”.

A página mostra a evolução da imprensa, especialmente a paulista, em pouco mais de um século. Para isso, os periódicos digitalizados foram divididos em diversas seções, como Cultura, Nacional, Gastronomia, Moda e Esportes.

A cada três meses será lançada uma nova edição que abordará notícias de uma época específica. Nesta primeira, o site mostra a cobertura sobre a Revolta da Chibata, a construção do Teatro Municipal de São Paulo e informações sobre a produção cafeeira paulista no início do século XX.

Traz ainda postais escritos à mão pelo poeta Olavo Bilac e publicados na revista A Lua, em 1910, e contos do escritor Eça de Queiroz publicados na revista Vida Moderna (1898). Ao clicar na notícia que lhe interessa, o internauta abre um arquivo com o periódico escolhido e busca a página em que a notícia foi publicada.

Outra novidade do site é a seção Colaborações, na qual serão publicados artigos sobre a História da Imprensa no Brasil, escritos por convidados. Esta primeira edição divulga o artigo “A Imprensa Oficial no Período Imperial na Província de São Paulo”, escrito por Julio Couto Filho, pesquisador e funcionário do Arquivo Público.

Entre os títulos digitalizados estão exemplares dos jornais Farol Paulistano (1829), Correio Paulistano (1867) e Jornal das Senhoras (1952) e das revistas Vida Paulista (1903), Moderna(1898), O Pharol (1908), Palco Ilustrado (1908) e Capital Paulista (1900).

A Hemeroteca do Arquivo Público é uma das maiores do Estado de São Paulo e possui atualmente 1.195 títulos de revistas e 1.369 títulos de jornais disponíveis para consulta. Além disso, o Arquivo Público é responsável, desde 2008, pela coleção de periódicos do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Mais: www.arquivoestado.sp.gov.br/memoriaimprensa.

Aquecimento Global

Por Léo Valença para Ambientedomeio

Aquecimento Global em cartuns “Aquecimento Global em cartuns” foi um projeto desenvolvido pelo cartunista Léo Valença em parceria com o portal Brazil Cartoon, que realizou um processo de seleção de cartunistas, onde foram selecionados 25 trabalhos inscritos para a publicação. A coletânea visa criar um espaço de divulgação de novos talentos do humor gráfico e desenvolver uma reflexão sobre a questão do aquecimento global.

 Cada cartunista selecionado e autor participante da publicação contribui com um cartum que ele desenvolveu sobre o tema. Os autores participantes são: Léo Valença, Leite, Jottas, Da Costa, Jorge Barreto, Alex Larcher, J. Bosco, Waldez Duarte, Alan Souto Maior, José Alves Neto, Casso, Ferreth, Kampos, Lederly Mendonça, Jota A, Lex Franco, Gustavo Oliveira, Bira Dantas, Marcelo Rampazzo, Melo, Marcos Noel, Adriano Louzada, Moises Macedo, Max e Edra. O objetivo deste trabalho é alertar a população para as consequências do aquecimento global.

A Diversidade Revelada

 Livro com textos de Aureliano Biancarelli e fotos de Osmar Bustos, lançado pelo Centro de referência da Diversidade ( CRD – Grupo plea Vidda/SP) e Ambulatório de Saúde Integral para travestis e Transexuais (CRT/Aids-SP). Segundo Maria Clara Gianna e Artur Kalichman da Coordenação Estadual DSI/Aids- SP: a orientação sexual e a identidade dos gêneros são fatores determinantes para saúde, mas não apenas por implicarem em praticas sexuais especificas, mas também porque podem significar o enfretamento cotidiano de preconceitos e violações de direitos humanos. O Centro de Referencia e treinamento DST/Aids- SP inaugurou em 2009 o primeiro ambulatório de saúde do Brasil dedicado exclusivamente a travestis e transexuais. Mário Scheffer e Irina Bacci do Grupo Pela Vidda/SP lembram que a relação entre a epidemia da aids e a exclusão social precisa ser melhor compreendida e enfrentada, o grupo atua em parceria com a prefeitura de São Paulo desde 2008. Aureliano relata no prefácio do livro que a dependência pelo crack e a infecção pelo HIV, altamente presentes nessa população, são duas ameaças para quais as sociedades e a saúde pública ainda não prestaram atenção a impressão que salta dos relatos é a de que o amor na diversidade é mais generoso e menos opressivo do que entre casais heterossexuais. Desde que foi aberto o CDR ( Centro de Referência da Diversidade) até setembro de 2010, passaram pelo centro 1.486 pessoas e dessas 1.276 foram credenciadas atualmente o numero total de atendimento chegou a 15.406. Segundo o perfil dos cadastrados 57% são travestis, 19% gays , 11% heterossexuais, 6% bissexuais, 5% transexuais e 2% lésbicas, 52% estão desempregados , 50% moram na região da subprefeitura da Sé e 46% não realizam testes para sorologia HIV a mais de três anos. Um dos exemplos de depoimentos é o de Renata Perón drag queen que interpreta canções de MPB na noite paulistana, Renata conheceu o CDR em 2007 foi vitima da violência urbana, agredida por nove rapazes perdeu um dos rins. A proposta do livro é aceitação da sociedade de que a Diversidade existe e deve ser respeitada havendo assim uma contribuição para o controle de doenças e a diminuição da violência urbana.

Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas

 Histórias em quadrinhos – Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas

Brasília: MS, MEC, UNESCO, UNICEF, UNFPA, 2010.

Conteúdo: 6 volumes de histórias em quadrinhos, 1 guia para professores, 1 CD-ROM.

Resumo: Este material surgiu no âmbito do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), uma iniciativa do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação em parceria com a UNESCO, UNICEF e UNFPA. Dirigido a adolescentes e jovens, o objetivo principal do projeto é desenvolver estratégias de promoção dos direitos sexuais e direitos reprodutivos, promoção da saúde, prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, do HIV e da AIDS, e a educação sobre álcool e outras drogas por meio de ações articulas no âmbito das escolas e das unidades básicas de saúde. A série HQ SPE compreende 6 volumes de histórias em quadrinhos, 1 guia para professores utilizarem as histórias em sala de aula e um CD-ROM.

Download gratuito: Continuar lendo “Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas”

A internet e a cultura escrita

 Danilo Albergata/ Revista Com Ciência

Das pequenas tábuas de argila, passando pelo surgimento do papel, ao suporte virtualizado, onde, hoje, nos expressamos, o sistema de símbolos gráficos a que damos o nome de escrita conheceu revoluções que alteraram profundamente a maneira como produzimos e trocamos informações, sentimentos e ideias. Geralmente atrelada aos recursos e condições materiais dos diferentes contextos históricos em que se desenvolveu, a escrita tornou-se protagonista de convulsões sociais, culturais e religiosas numa Europa que ainda não havia compreendido completamente os significados da revolução nas técnicas de impressão iniciada por Gutenberg. Vira e mexe, a essa democratização sem precedentes da escrita no século XV, comparam-se as mudanças que presenciamos atualmente com a explosão da internet. Estamos no calor do momento. A Wikipedia surgiu anteontem, os blogs ontem e o Twitter, agora há pouco. Continuar lendo “A internet e a cultura escrita”

Direitos humanos na mídia comunitária

direitosUNESCODireitos humanos na mídia comunitária: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Brasília: UNESCO, Oboré Projetos Especiais em Comunicações e Artes, 2009. 40 p., ilus.

ISBN: 978-85-61497-05-7

 Esta cartilha nasceu para quem quer e precisa saber das coisas e fazer com que informações cheguem, de verdade, na boca do povo, no coração da gente! Ela trata de assuntos ligados aos direitos humanos, que ajudam a criar e formar cidadania nas comunidades. Esclarece facilmente, passo a passo, as noções básicas sobre direitos civis, políticos e sociais e a importância do reconhecimento desses direitos para a promoção da cidadania, da ética, do respeito mútuo e de atitudes de não-violência. É um roteiro seguro de informações e sugestões práticas para o(a) comunicador(a) usar no seu dia a dia, nas reuniões da comunidade, nas reuniões da escola, da Igreja, do Sindicato, ou onde quer que esteja. Esta cartilha é util para quem assumiu a responsabilidade de espalhar notícias e informações de interesse da sua gente, do seu povo.