Motivos para você parar de ler informações não oficiais e respeitar as orientações dos profissionais de saúde do seu País, Cidade ou Estado

Por Ana Marina Martins de Lima

Aqui um breve histórico destas duas semanas: sou  profissional de saúde do Instituto Pasteur e continuo indo ao meu trabalho como muitos outros colegas, moro na Cidade de São Paulo.

Nós recebemos uma enxurrada de informações, algumas de colegas que nos auxiliam na atualização sobre a questão, outras de amigos e de familiares que nos questionam se as informações recebidas são verdadeiras e a resposta para todos é sigam a orientação do profissional de saúde que foi considerado gestor para enfrentamento da Pandemia de Coronavírus.

No nosso caso em São Paulo levamos em consideração as informações e orientações oficiais da Secretaria de Estado porque não podemos ficar atrelados as questões políticas em se tratando de “guerras de vaidade” entre os Governos Federais e o Governo Estadual.

Por aqui assim como no mundo em período de quarentena as ruas estão vazias e nos enfrentamos dois medos: primeiro o medo de agressões físicas e assaltos e segundo o medo de fazermos parte desta estatística de vítimas do vírus.

Na cidade de São Paulo ocorreram modificações no transporte público: menos ônibus circulando e um menor número de trens do Metro; poucos ou nenhum profissional de segurança nas plataformas e trens do Metro; já o trem embora tenha ficado lotado em alguns dias da semana conta com alguns profissionais militares na segurança.

Em algumas linhas havia mais vendedores do que passageiros, todos lógico que se questionados afirmando que necessitam vender para ter o que comer em casa e todos sem nenhuma proteção como por exemplo máscaras ou álcool gel.

Saindo do trabalho encontrei na rua uma mãe com duas crianças vendendo balas; as crianças estavam com mascara e a mãe não e perguntei o que houve a mascara de uma das meninas rasgou e a mãe colocou a sua na filha…enfim aqui nossos epidemiologias de plantão sabem qual será a consequência para os nossos próximos dias.

Nosso conhecimento nos permite discernir entre informações verdadeiras e informações falsas e saber de fato a gravidade da questão seja ela do ponto de vista da Saúde Pública ou da Economia Mundial.

Bom com relação aos fakes há um risco grande quando existe a produção caseira de máscaras e  quando não se sabe qual a origem ou fabricante de um dos produtos mais utilizados no momento o álcool gel vendido no transporte público por ambulantes.

Por meio de mensagens que ouvimos e por conversas entre nós da área da saúde foi também detectada a dificuldade de obtenção de dados epidemiológicos reais, alguns prefeitos não estão realizando as notificações; mas sabemos que os profissionais da saúde tem o dever ético de realizar as notificações perante as autoridades em saúde.

Se alguns de nossos POLÍTICOS são IRRESPONSÁVEIS vamos CUIDAR MAIS DA GENTE e respeitar as orientações OFICIAIS.

Estes fatos podem ser facilmente verificados pelos órgãos de fiscalização se o prefeito não notificar: em algumas pequenas cidades ocorre o aumento de óbitos principalmente entre os mais idosos.

Também se faz necessária uma logística de acompanhamento dos remédios enviados para Postos de Saúde e Hospitais; o consumo de xaropes por exemplo pode significar um alerta neste caso e a realização de exames como Rx dos pulmões e vias respiratórias superiores.

Hoje pagamos pelo nosso erro do passado e do presente a não notificação de casos foi um dos fatores que gerou esta crise mundial.

Diante da literatura científica é possível constatar que o vírus está nesta sociedade pelo menos desde 2012 e sofreu mutações em um dos casos há relatos de complicações renais e talvez seja necessária uma revolução nos trabalhos de Epidemiologia para todas as doenças, uma revisão de quando de fato a comunidade deve tomar uma decisão mais potente para evitar novos infectados.

Algo que nossos governos devem fazer além de fornecer EPIs para profissionais de Segurança e da Saúde e considerar-se que a Saúde é complexa e não só hospitais estão trabalhando; temos laboratórios de diagnósticos e clínicas que estão colaborando com a situação.

No ambiente hospitalar é preciso considerar que todos os profissionais estão em risco, alguns em maior grau e outros em menor grau uma classificação de risco nos ambientes hospitalares deve ser realizada no âmbito da situação atual.

O lixo hospitalar assim como o esgoto proveniente dos hospitais requer neste momento um olhar técnico e normativo. 

O pessoal da limpeza e da cozinha deve ser valorizado e equipado com EPIs assim como os profissionais da recepção seja em ambientes hospitalares ou em pequenos postos de saúde.

O momento é crítico, mas nós neste momento estamos reaprendendo que Epidemiologia não se faz somente com técnicos, mas sim com a solidariedade da população.

Um breve apelo aos comerciantes e empresários de transporte (companhias aéreas, ônibus, trens, lotações, carros): LIMPEM O AR CONDICIONADO.

Aos governos: GARANTAM O ACESSO A ÁGUA LIMPA E POTÁVEL – TRATEM DO ESGOTO e DESCARTE CORRETO DE RESÍDUOS.

A todos: VAMOS MANTER NOSSAS CASAS e as NOSSAS CIDADES LIMPAS.

Abaixo os números são atuais no mundo são do Centro Europeu de Controle de Doenças estes são os motivos para “FICAR EM CASA” e sair “SOMENTE SE NECESSÁRIO”

“Desde 31 de dezembro de 2019 e em 29 de março de 2020, foram notificados 657 140 casos de COVID-19 (de acordo com as definições de casos aplicados e estratégias de teste nos países afetados), incluindo 30 451 mortes.

As mortes foram registradas na Itália (10 023), Espanha (5 690), China (3 306), Irã (2 517), França (2 314), Estados Unidos (2 191), Reino Unido (1 019), Holanda (639), Alemanha (389), Bélgica (353), Suíça (235), Coréia do Sul (152), Brasil (114), Turquia (108), Indonésia (102), Suécia (102), Portugal (100) , Áustria (68), Filipinas (68), Dinamarca (65), Canadá (60), Japão (52), Equador (48), Iraque (42), Irlanda (36), Grécia (32), Egito (30) , Romênia (29), República Dominicana (28), Malásia (27), Argélia (26), Índia (25), Marrocos (23), São Marinho (22), Noruega (20), Argentina (19), Luxemburgo ( 18), Polônia (18), Panamá (17), México (16), Peru (16), Austrália (14), Hungria (13), Israel (12), República Tcheca (11), Paquistão (11), Albânia (10), Sérvia (10), Burkina Faso (9), Finlândia (9), Eslovénia (9), Líbano (8), Ucrânia (8), Bulgária (7), Transporte internacional no Japão (7), Lituânia ( 7), Chile (6), Colômbia (6), República Democrática do Congo (6), Tailândia (6), Tunísia (6), Proibição gladesh (5), Bósnia e Herzegovina (5), Croácia (5), Chipre (5), Gana (5), Rússia (5), Andorra (4), Azerbaijão (4), Bahrain (4), Macedônia do Norte ( 4), Arábia Saudita (4), Afeganistão (3), Armênia (3), Cuba (3), Paraguai (3), Porto Rico (3), Cingapura (3), Camarões (2), Costa Rica (2) , Honduras (2), Islândia (2), Maurício (2), Moldávia (2), África do Sul (2), Taiwan (2), Trinidad e Tobago (2), Emirados Árabes Unidos (2), Brunei Darussalam (1) ), Cabo Verde (1), Ilhas Cayman (1), Curaçao (1), Estônia (1), Gabão (1), Gâmbia (1), Guam (1), Guatemala (1), Guiana (1), Jamaica (1), Jersey (1), Jordânia (1), Quênia (1), Kosovo ** (1), Montenegro (1), Nova Zelândia (1), Nicarágua (1), Níger (1), Nigéria (1) ), Palestina * (1), Catar (1), Sri Lanka (1), Sudão (1), Togo (1), República Unida da Tanzânia (1), Uzbequistão (1), Venezuela (1) e Zimbábue (1) )

Foram relatados casos nos seguintes continentes:

África: África do Sul (1 187), Egito (536), Argélia (409), Marrocos (358), Tunísia (227), Burkina Faso (180), Gana (141), Costa do Marfim (140), Senegal ( 130), Camarões (99), Nigéria (97), Ruanda (60), República Democrática do Congo (58), Quênia (38), Uganda (30), Madagascar (28), Togo (28), Zâmbia (28) ), Congo (19), Etiópia (16), Djibuti (15), Guiné Equatorial (13), República Unida da Tanzânia (13), Níger (10), Eswatini (9), Mali (9), Guiné (8) , Moçambique (8), Namíbia (8), Gabão (7), Seicheles (7), Zimbábue (7), Benin (6), Cabo Verde (6), República Centro-Africana (6), Eritreia (6), Chade (5), Mauritânia (5), Sudão (5), Angola (4), Gâmbia (3), Libéria (3), Somália (3), Guiné-Bissau (2) e Líbia (1).

Ásia: China (82 342), Irã (35 408), Coréia do Sul (9 583), Turquia (7 402), Israel (3 619), Malásia (2 320), Japão (1 693), Paquistão (1 408) , Tailândia (1 245), Arábia Saudita (1 203), Indonésia (1 155), Filipinas (1 075), Índia (979), Cingapura (803), Catar (590), Iraque (506), Bahrein (473) , Emirados Árabes Unidos (468), Líbano (412), Taiwan (283), Jordânia (235), Kuwait (235), Cazaquistão (229), Vietnã (223), Omã (152), Uzbequistão (133), Brunei Darussalam (120), Sri Lanka (115), Afeganistão (106), Camboja (103), Maurício (102), Palestina * (97), Quirguistão (84), Bangladesh (48), Maldivas (16), Mongólia (12) , Mianmar (8), Laos (6), Nepal (5), Síria (5), Butão (4) e Timor-Leste (1).

América: Estados Unidos (124 665), Canadá (5 386), Brasil (3 904), Chile (1 909), Equador (1 835), Panamá (901), México (848), Argentina (745), República Dominicana (719), Peru (671), Colômbia (608), Uruguai (304), Costa Rica (295), Cuba (119), Venezuela (119), Honduras (110), Porto Rico (100), Bolívia (81) , Trinidad e Tobago (74), Paraguai (59), Guatemala (34), Jamaica (32), Aruba (28), Barbados (26), Bermuda (22), Ilhas Virgens Americanas (22), El Salvador (19) ), Bahamas (11), Dominica (11), Groenlândia (10), Granada (9), Ilhas Cayman (8), Curaçao (8), Guiana (8), Haiti (8), Suriname (8), Antígua e Barbuda (7), Montserrat (5), Ilhas Turks e Caicos (5), Santa Lúcia (4), Nicarágua (3), São Martinho (3), Anguilla (2), Belize (2), Ilhas Virgens Britânicas (2) ), São Cristóvão e Nevis (2) e São Vicente e Granadinas (1).

Europa: Itália (92 472), Espanha (72 248), Alemanha (52 547), França (37 575), Reino Unido (17 089), Suíça (13 152), Holanda (9 762), Bélgica (9 134) , Áustria (8 291), Portugal (5 170), Noruega (3 845), Suécia (3 447), República Tcheca (2 663), Irlanda (2 415), Dinamarca (2 415), Dinamarca (2 201), Luxemburgo (1 831), Polónia (1 638), Roménia (1 452), Rússia (1 264), Finlândia (1 218), Grécia (1 061), Islândia (963), Eslovénia (691), Sérvia (659), Croácia (657), Estônia (640), Armênia (424), Hungria (408), Lituânia (394), Bulgária (331), Ucrânia (311), Andorra (308), Letônia (305), Eslováquia (295), Bósnia e Herzegovina (257 ), Macedônia do Norte (241), Moldávia (231), São Marinho (224), Albânia (197), Azerbaijão (182), Chipre (179), Ilhas Faroé (155), Malta (139), Bielorrússia (94), Kosovo ** (86), Geórgia (85), Montenegro (84), Jersey (61), Liechtenstein (61), Gibraltar (56), Mônaco (43), Guernsey (39), Ilha de Man (32) e Holy Veja (6).

Oceania: Austrália (3 809), Nova Zelândia (476), Guam (55), Polinésia Francesa (34), Nova Caledônia (15), Fiji (5) e Papua-Nova Guiné (1).

Outros: Transporte internacional no Japão (696).

* Esta designação não deve ser interpretada como reconhecimento de um Estado da Palestina e não prejudica as posições individuais dos Estados-Membros sobre esta questão.

** Esta designação não prejudica as posições sobre o status e está alinhada com a Resolução 1244/1999 do Conselho de Segurança das Nações Unidas e o parecer do Tribunal Internacional de Justiça sobre a Declaração de Independência do Kosovo”.

Documentos Técnicos:

Organização Internacional do Trabalho:

Organização Mundial de Saúde:

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s