Editorial

Sobre o Ambiente do meio:

Criado em 2007 por uma necessidade de cooperar com os jornalistas e educadores bem como pessoas leigas em sua necessidade de encontrar informações sobre questões socioambientais.

Missão:

Informar com qualidade, visando a ação para um meio ambiente sustentável baseado na Cultura de Paz e compartilhar uma nova visão de meio ambiente, norteados pela simplicidade e objetividade com qualidade e respeito aos direitos autorais.

Conquista: 

Sem receber contribuições  financeiras ou cobranças por serviços prestados a sociedade desde sua primeira publicação este conteúdo tem sido base para trabalhos acadêmicos; novas pautas para outros meios; mudanças na política de qualidade de algumas empresas; documentos de governo e estruturação de documentos judiciais no âmbito do direito ambiental e socioambiental

Palavras da editora:  Inovar é utilizar conhecimentos científicos para preservação da vida. 

A Sustentabilidade Ecológica não pode ser vista somente no contexto ambiental como um tema distante da Economia Global, empresas devem realizar sua contribuição para minimizar o resultado que já temos das atividades que geram impacto negativo a exemplo do aquecimento do planeta, menor disponibilização de alimentos e água potável para população.

A implementação da Gestão Ambiental em uma empresa requer ética e uma visão sistêmica onde fatores socioambientais são considerados como base e fatores econômicos serão as consequências de uma valoração moral de seus colaboradores.

Preservar a natureza humana é um dever de todos, se não houver respeito aos conhecimentos  já adquiridos sobre a Biodiversidade em meios Acadêmicos e valorização de conhecimentos etnobotânicos e da sociedade, com a utilização deste conhecimento  como base para elaboração de Políticas Públicas adequadas, nós continuaremos a sofrer consequências de nosso consumo sobre o Clima do Planeta atrelados a problemas de Saúde Humana e outras questões sociais como por exemplo a morte de milhares de pessoas que ainda moram em locais de risco, expostas a riscos químicos  e a migração de pessoas entre as fronteiras de países devido ao empobrecimento local.

A degradação de um produto químico na natureza significa uma não detecção por alguns mecanismos de monitoramento e não necessariamente implica na segurança deste produto para biodiversidade e saúde humana, pois a degradação pode ser uma absorção do produto em elementos naturais não monitorados.  Necessitamos de ética em nossas pesquisas, agências de fomento e ambientalistas não podem ceder à pressão de grandes empresas ligadas ao agronegócio, a ética é a base para permanência da vida neste planeta.  Já perdemos boa parte de nossa biodiversidade devido nosso uso indevido da tecnologia.

O jornalismo tem um papel fundamental na contribuição com a obtenção da justiça ambiental e nos esclarecimentos de fatos que envolvem os riscos à saúde humana e os impactos ambientais estando a valorização econômica de atos ambientais diretamente conectada a estes fatores.

Sobre a autora e editora

Ana Marina Martins de Lima é Bióloga e Jornalista. Tem como formação: Bacharelado e Licenciatura Plena em Ciências Biológicas; especializações  em Gestão Ambiental e Gestão e Controle Ambiental em Serviços de Saúde e Comunicação de Risco pela Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde.

Mais informações:

http://lattes.cnpq.br/8821858075572868