Pesquisa da UERJ revela que lama tóxica da Samarco contaminou o arquipélago de Abrolhos

Por: Ana Marina Martins de Lima

Foto: Wikipédia

Estudo realizado em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF) e com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) revelou que os corais do Parque Nacional dos Abrolhos, na Bahia, também foram contaminados pelos rejeitos do consórcio Samarco neles foram encontrados   zinco e cobre e outros elementos decorrentes do rejeito da barragem da Vale.

O coordenador da pesquisa, Heitor Evangelista, do Laboratório de Radioecologia e Mudanças Globais (LARAMG), lançou uma página no Facebook para que o público acompanhasse a dispersão da lama tóxica  até o mar e o relatório conclusivo sobre a contaminação dos corais foi encaminhado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), órgão do Ministério do Meio Ambiente, e vai ser levado em conta nos autos da multa ambiental aplicada à Samarco; este trabalho pode ser acompanhado no Facebook:  https://www.facebook.com/abrolhosskywatch/

Já a Universidade Federal do Espírito Santo  por meio do Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão em Mobilizações Sociais produziu um relatório sobre a ótica socioambiental a investigação foi realizada entre os dias 10/11/2015 e 14/12/2015 a partir de dados primários e secundários, objetivando criar um diagnóstico preliminar dos impactos socioambientais do desastre causado pela ruptura da barragem de rejeitos de mineração da Samarco em 05/11/2015, no município de Mariana, Minas Gerais.

O trabalho foi desenvolvido por uma equipe coordenada pela professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Espírito Santo, Cristiana Losekann, e por pesquisadores de mestrado e graduação: Ana Caroline de Oliveira Sá, Arthur Augusto Santos, Tamyres Batista Costa, Washington Galvão, Júlia Castro, Lorena Cavalcante Fragotti, Leonardo Muniz, Laísa Lima. Contou, ainda, com a participação de pesquisadores de outros grupos, casos das pesquisadoras Bianca Jesus (GEPPEDES) e Lissa Tinôco dos Santos (DISSOA – Diálogos entre Sociologia e Arte.

Na época foi realizada análise da água coletada no munícipio do Baixo Gandu a colaboração da pesquisadora Aparecida Cristina Novaes Moura :

“ A partir do relatório analítico parcial 002-63866-96 da LAMA (Água superficial Lama-Mariana MG, Local da coleta ponto 02, Hora: 11:40 em 10/11/2015) assinado digitalmente e emitido pela Tommasi Analítica LTDA (FO-ANL-162, Rev 01 de 26/12/2012) sito em Vila Velha, ES CNPJ 04.485.521/0001-37, para o Serviço Autônomo de Água e Esgoto – Baixo Guandu, detectou-se níveis de metais no referido material pelo critério de conformidade CONAMA 357. Das análises realizadas pelo método POP-FQ 081 Rev. 3 verificou-se os seguintes metais acima do valor de referência (VR):

Arsênio: mais de 260 (duzentos e sessenta) x acima do VR.

Bário: mais de 7,6 (sete vírgula seis) x acima do VR.

Chumbo Total: mais de 100 (cem) x acima do VR.

Cobre Dissolvido: mais de 0,14 (zero vírgula quatorze) x o VR.

Ferro Dissolvido: mais de 92,7 (noventa e dois vírgula sete) x acima do VR.

Níquel Total: mais(+) de 51 (cinquenta e uma) x acima do VR.

Zinco Total: + de 11,3 x acima do VR.

Alumínio Total: foi determinado pelo método USEPA 3015A, SMEWW 3120B cujo VR não foi indicado e os níveis de 1.405,5 mg/L, está + de 1.400.000x (+ de 1milhão de 400x) acima do LQ (limite de quantificação).

Antimônio Total: + de 51 (cinquenta e uma) x o VR (também determinado pelo método USEPA 3015A, SMEWW 3120B)

Cromo Total: 70(setenta) x acima do VR.

Cobalto Total: 5,7 (cinco vírgula sete) x acima do VR.

Ferro Total: 3.914,9 mg/L determinado pelo método USEPA 3015A, SMEWW 3120B, mas sem VR indicado. Este valor ultrapassa em 391.500 (trezentas e noventa e um mil e quinhentas) x o LQ.

Manganês Total: 610 (seiscentas e dez) x acima do VR.

Fósforo Total: + de 350 (trezentas e cinquenta) x acima do VR

Alumínio Dissolvido: + de 17,5 (dezessete vírgula cinco) x acima do VR

VALE LEMBRAR QUE CADA VALOR QUE É IGUAL AO DOBRO DO VR, POR EXEMPLO, SIGNIFICA UM AUMENTO DE 100%; DA MESMA FORMA QUE UM VALOR CINCO VEZES ACIMA DO VR CORRESPONDE A UM AUMENTO DE 500%.

A partir do relatório analítico parcial 002-63866-98 da H2O SUJA (Água superficial -Mariana MG, Local da coleta ponto 01, Hora: 10:43 em 10/11/2015) assinado digitalmente e emitido pela Tommasi Analítica LTDA (FO-ANL162, Rev 01 de 26/12/2012) sito em Vila Velha, ES CNPJ 04.485.521/0001-37, para o Serviço Autônomo de Água e Esgoto – Baixo Guandu, detectou-se níveis de metais no referido material pelo critério de conformidade CONAMA 357. Das análises realizadas pelo método POP-FQ 081 Rev. 3 verificou-se os seguintes metais acima do valor de referência (VR):

Ferro Dissolvido: + de 1,85 (uma vírgula oitenta e cinco) x o VR estabelecido.

Alumínio Total: 20,327 mg/L dosado pelo método USEPA 3015A, SMEWW 3102B, sem indicação de VR. 

Este valor é 2000x superior ao valor de LQ.

Ferro Total: valor 200 (duzentas ) x superior ao LQ, valor de VR não indicado também.

Manganês Total: 2,6 (duas vírgula seis) x o VR.

Fósforo Total: + de 2,8 (dois vírgula oito) x superior ao VR

Alumínio Dissolvido: 5,55 (cinco vírgula cinquenta e cinco) x  o VR.

A partir do relatório analítico parcial 002-63866-97 da H2O LIMPA (Água superficial -Mariana MG, Local da coleta ponto 03, Hora: 13:10 em 10/11/2015) assinado digitalmente e emitido pela Tommasi Analítica LTDA (FO-ANL-162, Rev 01 de 26/12/2012) sito em Vila Velha, ES CNPJ 04.485.521/0001-37, para o Serviço Autônomo de Água e Esgoto – Baixo Guandu, detectou-se níveis de metais no referido material pelo critério de conformidade CONAMA 357. Das análises realizadas pelo método POP-FQ 081 Rev. 3 foi verificado que:

Ferro Total: 0,204mg/L determinado pelo método USEPA 3015ª, SMEWW 3120B, que corresponde a + de 20 (vinte) x o LQ, cujo VR não foi indicado. Se considerado o mesmo VR para a água suja, o nível de Ferro Total ficaria aqui 4 (quatro) x acima desse VR”.

Pesquisadores da FIOCRUZ, UNIFESP e Universidade Federal de Minas Gerais produziram o seguinte artigo:  “Tragédias brasileiras contemporâneas: o caso do rompimento da barragem de rejeitos de Fundão/Samarco”  onde o ponto da discussão foi  a incapacidade do Estado para exercer seu papel como agente controlador e fiscalizador de maneira efetiva e revelam a vulnerabilidade da população atingida, esmagada por um modelo de desenvolvimento que fragiliza a organização coletiva, a representatividade social e a capacidade política de fazer valer seus direitos. As apurações sobre as responsabilidades, as ações de indenização e as medidas de recuperação dos danos socioambientais, ocupacionais e sanitários poderão não atender de forma justa e satisfatória os interesses coletivos dos trabalhadores e seus familiares, assim como de toda a população atingida, apontando para a necessidade de um amplo processo de mobilização social para recuperar a dignidade e os direitos violados por essa grave tragédia.

Do ponto de vista da saúde da população houve danos variados, implicando desde a necessidade de atendimento aos feridos até importantes preocupações com a saúde psicológica dos atingidos, além de, obviamente, mortos e desaparecidos; neste relatório consta a questão da saúde dos trabalhadores e o papel dos movimentos sociais nas denuncias realizadas junto ao Ministério Público.

Leia:  O caso do rompimento da barragem do fundão

Relatório da Universidade federal do Espírito

 

 

Qual sua opinião sobre este tema?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s