Lideranças do povo Pataxó Hã Hã Hãe, que vivem no sul da Bahia, vão à Câmara dos Deputados, para falar sobre processo que pede a nulidade de títulos da terra concedidos a fazendeiros que ocupam seu território

Texto: Marco Antônio Soalheiro Repórter da Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ABr

Editado por: Ana Marina Martins de Lima

Com vestes tradicionais, rostos e corpos pintados, cerca de 200 índios Pataxó Hã Hã Hãe fizeram hoje (23), em Brasília, um ato público em defesa da retirada de fazendeiros que ocupam parte da Terra Indígena Caramuru-Paraguaçu, na Bahia. Os índigenas afirmaram que são vítimas de agressões desde 1982 quando foram conferidos títulos de posse aos produtores locais. Essas agressões teriam resultado na morte de pelo menos 23 “parentes” (outros índios). Amanhã (24), o STF vai decidir sobre a validade dos títulos de posse dos fazendeiros. “Respeitamos o meio ambiente, as matas e os rios. Lutamos pela nossa subsistência. Não vejo como os ministros possam dar uma decisão contrária ao nosso povo”, afirmou o pataxó Luiz Titiá, coordenador da Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas e Espírito Santo (Apoinme). Com voz embargada, a cacique Ilza Rodrigues disse não temer a perda das terras e defendeu que os índios “devem buscá-la até a última geração”.Segundo a líder, em virtude de violências sofridas, muitos índios Pataxó evitavam circular na região com medo de possíveis represálias.

“Sofríamos discriminação e preconceito, mas felizmente tivemos velhos que fincaram o pé ali e lutaram contra tudo”, disse. Entoando cantos tradicionais, os índios deixaram o auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, esperançosos de que o STF conceda uma decisão favorável a eles. Os dizeres estampados em uma faixa, atribuídos ao cacique Samado Santos – líder histórico da comunidade, morto em 1998 – resumem o sentimento do grupo: “Eu sirvo até de adubo para minha terra, mas dela não saio”.Em abril de 1997, um índio Pataxó Hã Hã Hãe foi morto em Brasília. Galdino José dos Santos – queimado vivo por jovens de classe média alta – estava na cidade para participar de audiências que discutiam a retirada dos fazendeiros que ainda hoje ocupam parte da reserva.

Um comentário em “Lideranças do povo Pataxó Hã Hã Hãe, que vivem no sul da Bahia, vão à Câmara dos Deputados, para falar sobre processo que pede a nulidade de títulos da terra concedidos a fazendeiros que ocupam seu território

Espaço para sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s