A complexidade da utilização de água de reúso

Quando se fala em reuso de um determinado recurso, em particular a água, está implícita a aplicação de uma tecnologia que deve ser mais ou menos desenvolvida, dependendo dos fins a que se destina essa água e o uso dela tenha sido feito anteriormente.

O que dificulta o estabelecimento de uma conceituação bem definida sobre reuso de água é a definição do exato momento a partir do qual pode-se admitir estar se fazendo reuso.

A água deve ser percebida como segura e aceitável para o uso pretendido e os órgãos de controle devem divulgar tal garantia. Esta diretriz pode ocasionar a imposição de limites conservadores para a qualidade da água por parte dos órgãos de controle.

O reuso da água reduz a demanda sobre os mananciais de água bruta devido a substituição da água potável por uma água de qualidade inferior onde tal substituição é possível, tendo em vista a qualidade requerida para o consumo. Em muitos casos ocorre uma proteção natural das águas dos mananciais, uma vez que eliminam-se as descargas de esgotos superficiais.

A caracterização como reuso deve levar em conta o volume de esgoto recebido pelo corpo de água relativamente ao volume de água de origem natural.

Se por um lado a literatura é bastante reca quando a terminologia utilizada em reuso de água, por outro existem discrepância entre vários autores que, embora não se contraponham em sua essência, dificultam o entendimento se não forem feitas algumas considerações iniciais. De uma maneira geral o reuso da água pode ocorrer de forma direta ou indireta, através de ações planejadas ou não.

A aceitabilidade do reuso da água para qualquer fim especifico depende da sua qualidade física, química e microbiológica.

Os fatores que afetam a qualidade da água para reuso incluem a qualidade na fonte geradora, o tratamento da água residuária, a confiabilidade no processo de tratamento, o projeto e a operação dos sistemas de distribuição.

A decisão de implantar um sistema de reuso nem sempre é fácil é necessário abordar as questões ambientais e de saúde pública.

O risco a saúde depende fundamentalmente da tecnologia empregada em cada modalidade de reuso, se por um lado, os riscos relacionados aos vários tipos de reuso para fins não potáveis devem-se aso contaminantes microbiológicos ou a elementos químicos de efeito tóxicos ou sub agudos de resposta rápida e também devem ser considerados os elementos químicos traço potencialmente carcinogênicos e de efeitos de exposição continua.

Devem ser levados em conta as características dos esgotos, os patógenos potencialmente perigosos à saúde de humanos e animais estão presentes e existem na forma de contaminação por abatedouros, industrias de extração de óleos de animis, laticínios e fezes jogadas em sanitários, ou que vão ter os esgotos através de escoamento superficial de ruas e calçadas.

Para uso não potável da água recuperada, os efeitos de muitos constituintes químicos são relativamente bem compreendidos e, portanto, os limites de qualidade podem ser prontamente determinados.

Durante a implantação do projeto de água de reuso devem ser realizadas: caracterização da qualidade da água através de exames de laboratórios; teste da tratabilidade, projeto e construção de uma estação piloto; projeto e construção em uma escala real e monitoramento da qualidade da água.

Os critérios gerais nos quais deve ser baseado um programa de água de reuso quanto a qualidade da água produzida são os seguintes: o reuso não deve resultar em riscos sanitários à população; o reuso não deve causar nenhum tipo de objeção por parte dos usuários; o reuso não deve acarretar prejuízos ao meio ambiente; a fonte de água que será submetida a tratamento para posterior reuso deve ser quantitativamente segura e a qualidade da água deve atender ás exigências relativas aos usos a que ela se destina.

Fontes:

Crook, James. Revista da Sabesp . N 174. Nov dez 1993.

Generino, Regina Coeli. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública . 2006

Mancuso, Pedro Caetano Sanches. Reúso de água. Tese de mestrado. Universidade de São Paulo. Faculdade de saúde pública. 1989

Mancuso, Pedro Caetano Sanches. Santos, Hilton Felício. Reúso de água. Malone. 2003

Espaço para sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s