Brasil é o quarto país com mais usuários de Internet do mundo, diz relatório da ONU

Por ONUBr

O Brasil é o quarto país com maior número absoluto de usuários de Internet, ficando atrás de Estados Unidos, Índia e China, segundo novo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). Quase 90% das 750 milhões de pessoas que ficaram online pela primeira vez entre 2012 e 2015 viviam em países em desenvolvimento, segundo o documento.

Apesar disso, o relatório indicou que a presença dos países da América Latina e do Caribe na economia digital permanece relativamente limitada. Junto com a África, a região responde por apenas 4% de todas as impressoras 3D utilizadas no mundo. Além disso, as mesmas duas regiões respondem por menos de 2% das empresas digitais do mundo com uma capitalização de mercado de mais de 1 bilhão de dólares.

O Brasil é o quarto país com maior número absoluto de usuários de Internet, ficando atrás de Estados Unidos, Índia e China, segundo novo relatório publicado na segunda-feira (3) pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

O documento “Economia da Informação 2017: Digitalização, Comércio e Desenvolvimento” apontou que o Brasil tinha 120 milhões de usuários de Internet em 2015, ficando atrás dos EUA, com 242 milhões, da Índia, com 333 milhões, e da China, com 705 milhões.

Em 2015, as economias em desenvolvimento responderam por 70% dos usuários de Internet no mundo, sendo a maior parte na China e na Índia. Apenas quatro economias desenvolvidas ficaram entre os dez países com maior número de usuários: EUA, Japão, Alemanha e Reino Unido.

foto EBC
Foto: EBC

O relatório indicou que no Brasil, na Índia, no México e na Nigéria, as taxas de crescimento anual do uso de Internet ficaram entre 4% e 6% de 2012 a 2015, enquanto as taxas de avanço foram bem menores nas economias desenvolvidas, com exceção do Japão, uma vez que esses mercados já estão perto da saturação.

Quase 90% das 750 milhões de pessoas que ficaram online pela primeira vez entre 2012 e 2015 viviam em países em desenvolvimento, com os maiores números vindo de Índia (178 milhões) e China (122 milhões). Em muitos países em desenvolvimento, aproximadamente metade ou mais dos usuários de Internet ficaram online pela primeira vez nos últimos três anos, este sendo o caso de Bangladesh, Índia, Irã e Paquistão.

No Brasil e na China, mais de 50% da população utiliza a Internet, enquanto na Índia apenas pouco mais de um quarto da população está online. A expectativa é de que os próximos 1 bilhão de usuários de Internet virão principalmente das economias em desenvolvimento.

O acesso e o uso da banda larga são facilitadores essenciais da economia digital, disse o documento. Apesar da crescente conectividade, o uso da banda larga ainda é muito limitado nos países menos desenvolvidos, onde permanece muito cara para a maior parte da população.

Os preços da banda larga fixa podem ser três vezes maiores nos países em desenvolvimento do que nos países desenvolvidos, enquanto o preço da banda larga móvel pode ser duas vezes maior, segundo a União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Nos últimos anos, o crescimento das assinaturas de banda larga fixa foi menor que o da banda larga móvel em todas as regiões, o que levanta algumas preocupações em relação ao desenvolvimento de longo prazo das redes e de serviços de alta capacidade em regiões menos desenvolvidas.

Desigualdades permanecem

Apesar da considerável melhora no acesso às TICs, significativas disparidades persistem no uso de tais tecnologia, especialmente em relação à banda larga. Nos países em desenvolvimento, especialmente nos menos desenvolvidos, a penetração da banda larga é baixa. Mesmo aqueles que têm acesso à banda larga tendem a experimentar velocidades baixas de download e upload, o que limita as atividades na Internet.

Em muitos países da região latino-americana e caribenha, a probabilidade de usuários de Internet realizarem compras online é ainda muito baixa. Por exemplo, em Colômbia, México e Paraguai, menos de 10% dos usuários de Internet compram online, enquanto uma fatia muito maior desses usuários utiliza as redes sociais.

O relatório da UNCTAD apontou ainda que a presença dos países da América Latina e do Caribe na economia digital permanece relativamente limitada. Junto com a África, a região latino-americana e caribenha responde por apenas 4% de todas as impressoras 3D utilizadas no mundo. Além disso, as mesmas duas regiões respondem por menos de 2% das empresas digitais do mundo com uma capitalização de mercado de mais de 1 bilhão de dólares.

O relatório indicou também que menos de metade dos países da América Latina e do Caribe adotaram legislação de proteção e privacidade de dados, e menos de um terço de todas as economias caribenhas tem leis de proteção ao consumidor para compras online.

Entre as economias emergentes, a falta de habilidades digitais é particularmente significativa na América Latina. Empresas na região tinham três vezes mais chances do que empresas do Sul da Ásia, e 13 vezes mais do que as da Ásia-Pacífico, de ter problemas operacionais devido à falta de capital humano.

Ao mesmo tempo, o relatório cita experiências bem sucedidas na região, como o programa brasileiro Exporta Fácil, implementado em 2002 e que ajudou a reduzir custos para a exportação de bens das pequenas e médias empresas.

Leia:  Economia da Informação 2017 Digitalização, Comércio e Desenvolvimento

Espaço para sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s