Conhecimento: custódia e acesso na Feira Educar Educador

Por: Sistema Integrado de Bibliotecas

Entre os dias 22 e 25 de maio de 2013, a exposição Conhecimento: custódia e acesso estará novamente aberta ao público, desta vez na Feira Educar Educador, que será sediada no Centro de Exposições Imigrantes e tem como tema a Educação 3.0. A Escola do Futuro chegou?

Realizada pelo Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de São Paulo (SIBiUSP), sob coordenação da professora Sueli Mara Ferreira, e curadoria do professor Marcos Galindo, a exposição Conhecimento: custódia e acesso se encaixa perfeitamente no contexto da Educação ao abordar o conhecimento do ponto de vista de seu resgate, preservação e acesso, assinalando a tensão suscitada pelas excepcionais mudanças que as novas tecnologias de informação e comunicação vêm produzindo na sociedade contemporânea.

Ao longo da história, coube às bibliotecas abrigar o legado do conhecimento da humanidade. Hoje, dada a crescente democratização do acesso à informação e ao conhecimento, é preciso repensar esse papel. Em vista disso, a mostra busca “discutir o papel das bibliotecas, na construção do fenômeno social do conhecimento e motivar a reflexão sobre os instrumentos técnicos e práticas sociais que permitiram tornar a informação acessível e fortalecê-la como matéria-prima básica para a construção de novas formas de conhecimento”, elucida Sueli Mara Ferreira.

Mais do que instituições guardiãs, é preciso compreender as bibliotecas como organizações que realizam a gestão da informação e do conhecimento, a partir da convergência de elementos técnicos, lógicos (tecno+lógicos) e humanos que concorrem para o cumprimento de sua função social, em consonância com sua época.

Aberta ao público em geral, a mostra é gratuita e destinada, sobretudo, a alunos de ensino médio, universitários e pós-graduandos, pesquisadores, professores e profissionais interessados em produção do conhecimento, recursos de acesso e recuperação de informação, acervos e bibliotecas memoriais.

Ainda segundo Sueli Mara Ferreira, a exposição busca resgatar a memória da informação científica e tecnológica, procurando recuperar uma perspectiva crítica da ação do SIBiUSP, destacando a função social das bibliotecas de maneira geral e, em particular, das bibliotecas universitárias”.

Os módulos da exposição

A mostra busca discutir o papel das bibliotecas na construção do fenômeno social do conhecimento

Partindo do conceito tradicional de biblioteca, a exposição se propõe a identificar as mudanças fundamentais e conceituais nela ocorrida perante o desenvolvimento tecnológico e sua permanente inserção educacional, cultural e educacional, independentemente da época ou localização.

O primeiro módulo apresenta-se como um panorama sobre as formas de entendimento do conhecimento principiado pelos mitos criacionistas ocidentais, desde os primórdios onde o conhecimento se ligava ao “pecado original” e após, por mandato divino, passa a ser responsabilidade de religiosos. Essa perspectiva evidencia a sacralidade do conhecimento, em contraposição ao mundo laico ou profano.

Na sequência, a exposição trata da evolução dos instrumentos técnicos de registro e preservação do conhecimento, alistando desde as formas primitivas de escrita, passando pela a invenção da prensa de tipos móveis e indo até as modernas tecnologias de informação e comunicação, bem como seu impacto sobre a ordenação da vida social. Como desfecho, uma linha do tempo evidencia os principais eventos relacionados à produção, registro e acesso ao conhecimento, desde a Antiguidade até a atualidade.

No segundo módulo, especial destaque é dado às figuras ligadas ao movimento modernista e à Semana de Arte Moderna de 1922, dentre os quais se destacam os intelectuais Rubens Borba de Morais, Paulo Duarte, Sérgio Milliet que, sob a coordenação de Mário de Andrade, participaram da criação, em 1935, do Departamento de Cultura e Recreação da Prefeitura de São Paulo. Aqui é pertinente a lembrança da atuação do bibliotecário Borba de Morais na modernização da Biblioteca Pública Municipal, a organização da rede de bibliotecas da cidade e sua ação em 1936, com Adelpha de Figueiredo, no Mackenzie College, organizando o curso de Biblioteconomia do Departamento de Cultura.

O terceiro módulo fundamenta-se na experiência e desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação para questionar o visitante sobre como será a biblioteca do futuro. A intenção é mostrar as interfaces dessa biblioteca a ser criada com a que já existe no presente, porque a biblioteca do futuro estará sempre no imaginário social.

Paralela e simultaneamente a um tradicional catálogo de fichas (modelo de recuperação da informação tradicionalmente utilizado pelas bibliotecas), a exposição contará com equipamentos para consulta ao Portal de Busca Integrada – um sistema de descoberta e acesso a conteúdos científicos – considerado como um recurso dos mais inovadores e sofisticados disponíveis no mercado.

“A exposição é como uma biblioteca da USP: todos os recursos (documentos, imagens, vídeos) que o usuário poderia acessar estando no campus, também poderá acessar na exposição utilizando o Portal de Busca Integrada, que é a primeira e a maior instalação do inovador sistema de descoberta e princípios de web semântica”, esclarece a professora Sueli.

A mostra dispõe de seis computadores com telas touch screen, que permitirão o acesso a mais de dois milhões de livros, 10 mil títulos de periódicos eletrônicos, 100 mil teses defendidas na USP, 594 mil itens de produção USP e 264 mil e-books.

Destaques da exposição

A exposição disponibiliza ao visitante o acesso a entrevistas com ilustres ex-alunos da USP — Fernando Henrique Cardoso, Flávio Fava de Moraes, Ruy Laurenti, Marcelo Tas, Mayana Zatz e Demi Getscko — com depoimentos sobre o mundo dos livros, das bibliotecas e do conhecimento.

Além disso, o processo de digitalização de obras raras, realizado pela Oficina de Digitalização do SIBiUSP é apresentado em vídeo.

A mostra também conta com projetores suspensos que exibem imagens sobre a evolução da informação e do conhecimento ao longo dos séculos. Obras raras também se encontram expostas, inclusive um livro atingido por uma bala disparada durante a Revolução de 1932.

No decorrer da mostra, ícones QRCode oferecerão outras dicas de pesquisa em bases de dados e materiais disponíveis para os visitantes. Aqueles que apresentam baixa visão, dislexos, cegos e surdos cegos poderão recorrer a computadores especialmente preparados para leitura em braille e áudio dos textos referentes aos painéis e à própria exposição.

Neste primeiro semestre de 2013, a exposição Conhecimento: custódia e acesso estará na Feira e Congresso Educar Educador, onde milhares de profissionais diretamente ligados ao segmento educacional terão acesso a uma centena de atividades e a uma grande variedade de produtos e serviços voltados para a Educação.

A exposição esteve presente no Museu da Língua Portuguesa, na Feira de Ribeirão Preto e na 22ª Bienal do Livro, em agosto de 2012, tendo reunido mais de 38 mil visitantes.

Espaço para sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s