Manifesto​ ​dos​ ​Agricultores​ ​e​ ​Agricultoras​ ​de​ ​São​ ​Paulo

banqueteNós​ ​somos​ ​agricultores​ ​da​ ​cidade​ ​de​ ​São​ ​Paulo:​ ​vivemos​ ​na cidade​ ​e​ ​produzimos​ ​alimentos. Fazemos​ ​isso​ ​porque acreditamos​ ​que​ ​todos​ ​devem​ ​ter​ ​acesso​ ​a​ ​um​ ​alimento​ ​fresco, limpo, orgânico​ ​e​ ​agroecológico.​ ​Resgatamos​ ​em​ ​nossas histórias​ ​a​ ​tradição​ ​de​ ​agricultura​ ​de​ ​nossas famílias​ ​que parecia​ ​não​ ​caber​ ​na​ ​metrópole​ ​de​ ​concreto​ ​e​ ​aço.​ ​Hoje,​ ​nosso ofício​ ​relembra​ ​que​ ​a separação​ ​entre​ ​o​ ​campo-cidade​ ​é​ ​uma noção​ ​que​ ​afasta​ ​o​ ​homem​ ​da​ ​natureza,​ ​criando​ ​graves desequilíbrios​ ​e​ ​um​ ​sistema​ ​de​ ​consumo​ ​insustentável​ ​tanto para​ ​alimentação​ ​como​ ​para​ ​o sistema​ ​ecológicos.

Somos​ ​mais​ ​de​ ​400​ ​agricultores​ ​e​ ​estamos​ ​espalhados​ ​por​ toda​ ​a​ ​cidade,​ ​desde​ ​o​ ​Centro​ ​até​ ​as Periferias.​ ​Produzimos​ ​em​ ​solo​ ​duro,​ ​com​ ​muito​ ​entulho.​ ​Limpamos​ ​e​ ​cuidamos​ ​para​ ​que com​ ​o tempo​ ​ele​ ​se​ ​regenere,​ ​enriqueça​ ​e​ ​produza​ ​alimentos sadios​ ​que​ ​vão​ ​para​ ​a​ ​mesa​ ​dos paulistanos.​ ​Nós​ ​produzimos água.​ ​Nós​ ​produzimos​ ​biodiversidade.​ ​Nós​ ​produzimos equilíbrio ecológico​ ​numa​ ​cidade​ ​com​ ​falta​ ​de​ ​verde.​ ​Nós estamos​ ​construindo​ ​uma​ ​cidade​ ​mais sustentável​ ​para​ ​todos os​ ​seus​ ​moradores.

As​ ​ações​ ​para​ ​a​ ​promoção​ ​da​ ​agricultura​ ​na​ ​cidade​ ​tiveram​ ​um​enorme​ ​avanço​ ​nos​ ​últimos​ ​5 anos,​ ​com​ ​a​ ​reconfiguração​ ​da Zona​ ​Rural​ ​do​ ​município​ ​e​ ​a​ ​constituição​ ​do​ ​Conselho​ Municipal de​ ​Desenvolvimento​ ​Rural​ ​Solidário​ ​e​ ​Sustentável. São​ ​Paulo​ ​possui​ ​um​ ​Programa​ ​de Agricultura​ ​Urbana​ ​e Periurbana​ ​(PROAURP),​ ​que​ ​estabelece​ ​a​ ​criação​ ​de​ ​Casas​ ​de Agricultura Ecológica​ ​(CAE)​ ​que​ ​dão​ ​assistência​ ​técnica​ ​para​ ​os​ ​agricultores​ ​do​ ​município.​ ​Atualmente​ ​o município​ ​possui​ ​duas CAEs,​ ​uma​ ​na​ ​Zona​ ​Sul​ ​e​ ​outra​ ​na​ ​Zona​ ​Leste.

Esse​ ​conjunto​ ​de​ ​ações,​ ​aliado​ ​à​ ​obrigatoriedade​ ​de​ ​introdução​de​ ​alimentos​ ​orgânicos​ ​na alimentação​ ​escolar​ ​das​ ​escolas municipais,​ ​garantida​ ​pela​ ​Lei​ ​Municipal​ ​16.140_​ ​2015,​ ​conferiu a​ ​São​ ​Paulo​ ​a​ ​​ ​conquista​ ​do​ ​Prêmio​ ​Major`s​ ​Challenge​ ​da Bloomberg​ ​Philanthropies​ ​com​ ​o projeto​ ​”Ligue​ ​os​ ​Pontos”,​ ​e​ ​o​ ​reconhecimento​ ​internacional​ ​de​ ​nossas​ ​práticas.​ ​São​ ​Paulo passou​ ​a​ ​ser​ ​vista​ ​como​ ​uma​ ​cidade​ ​que​ ​também​ ​produz alimento​ ​de​ ​qualidade​ ​e​ ​agroecológicos.

No​ ​entanto,​ ​todo​ ​esse​ ​avanço​ ​está​ ​sendo​ ​desmontado​ ​pela atual​ ​gestão.​ ​Após​ ​o​ ​escândalo​ ​da ração​ ​humana​ ​(farinata),​ ​o que​ ​se​ ​percebe​ ​é​ ​um​ ​esforço​ ​generalizado​ ​para​ ​desconstruir​ ​as principais​ ​políticas​ ​públicas​ ​que​ ​dão​ ​base​ ​e​ ​apoio​ ​para​ ​a produção​ ​agroecológica​ ​na​ ​cidade.

Por​ ​isso,​ ​exigimos:

  • revogação​ ​da​ ​Lei​ ​16.704/2017​,​ ​que​ ​permite​ ​ao​ ​Poder​ ​Público​celebrar contratos​ ​e​ ​convênios​ ​com​ ​entidades produtoras/distribuidoras​ ​​de​ ​“farinata”​ ​​e derivados​ processados​ ​e​ ​ultraprocessados;

● a​ ​​reestruturação​ ​das​ ​Casas​ ​de​ ​Agricultura​ ​Ecológicas​ ​(CAEs), responsáveis​​ ​​pela​ ​assistência​ ​técnica​ ​rural​ ​aos​ ​agricultores​ ​do município,​ ​com​ ​a recontratação​ ​de​ ​agrônomos​ ​com conhecimento​ ​técnico​ ​adequado​ ​sobre​ ​a​ ​região e​ ​sobre​ ​as práticas​ ​de​ ​produção​ ​agroecológicas;

  • a​ ​​renovação​ ​do​ ​Programa​ ​Operação​ ​Trabalho​ ​(POT),​ ​na​ ​linha Hortas​ ​e Viveiros​ ​da​ ​Comunidade​,​ ​que​ ​complementa​ ​a​ ​renda​ ​de agricultores​ ​urbanos, mantendo-os​ ​em​ ​atividade​ ​produtiva​ ​de alimentos​ ​agroecológicos​ ​para​ ​suas comunidades;
  • o​ ​​aumento​ ​do​ ​orçamento​ ​destinado​ ​à​ ​Coordenadoria​ ​de​ ​Segurança Alimentar​ ​e​ ​Nutricional​ ​(COSAN)​,​ ​que​ ​teve​ ​seu orçamento​ ​reduzido​ ​em 94%​ ​na​ ​proposta​ ​enviada​ ​à​ ​Câmara Municipal;
  • criação​ ​de​ ​programas​ ​de​ ​formação​ ​continuada​ ​em agroecologia​ ​e​ ​permacultura, promovidos,​ ​principalmente,​ ​pela Escola​ ​de​ ​Jardinagem​ ​(SVMA)​ ​e​ ​pelo programa​ ​Escolas​ ​Estufa;
  • criação​ ​da​ ​CAE​ ​da​ ​Zona​ ​Norte​,​ ​prevista​ ​no​ ​PROAURP;
  • lançamento​ ​de​ ​novos​ ​editais​ ​do​ ​Fundo​ ​Especial​ ​de​ ​Meio Ambiente (FEMA/SVMA)​​ ​voltados​ ​à​ ​transição​ ​agroecológica,​ ​à​ ​promoção do cooperativismo,​ ​economia​ ​solidária​ ​e​ ​assistência​ ​técnica agroecológica​ ​dos produtores​ ​rurais​ ​e​ ​urbanos.

Na certeza de que os representantes do Poder Público receberão e irão considerar nossa demandas,​ ​são​ ​signatários deste​ ​manifesto:

*​ Associação​ ​de​ ​Agricultores​ ​da​ ​Zona​ ​Leste (AAZL)

*​ ​Casa​ ​Ecoativa

*​ ​Cooperativa​ ​Agroecológica​ ​dos​ ​Produtores Rurais​ ​e​ ​de​ ​Água​ ​Limpa​ ​da​ ​Região​ ​Sul​ ​de São​ ​Paulo​ ​(Cooperapas)

*​ ​Coletivo​ ​Dedo​ ​Verde

*​ ​Eparreh​ ​-​ ​Cooperativa​ ​de​ ​Educadores Ambientais

*​ ​É​ ​Hora​ ​da​ ​Horta

*​ ​Horta​ ​da​ ​Vila​ ​Nova​ ​Esperança

*​ ​Horta​ ​di​ ​Gueto

*​ ​Laboratório​ ​de​ ​Envolvimento Agroecológico

*​ ​Movimento​ ​Integração​ ​Campo-Cidade (MICC)

*​ ​Movimento​ ​Urbano​ ​de​ ​Agroecologia (MUDA_SP)

*​ ​Movimento​ ​dos​ ​Sem​ ​Terra​ ​-​ ​São​ ​Paulo (MST-SP)

*​ ​Organismo​ ​de​ ​Controle​ ​Social​ ​​ ​São​ ​Paulo (OCS​ ​SP)

*​ ​Pastoral​ ​Fé​ ​e​ ​Política​ ​da​ ​Arquidiocese​ ​de São​ ​Paulo

*​ ​PermaSampa

*​ ​Quebrada​ ​Sustentável

*​ ​Rede​ ​PermaPerifa

*​ ​Slow​ ​Food Brasil

*​ ​Sistema​ ​Participativo​ ​de​ ​Garantia​ ​(SPG) das​ ​Áreas​ ​de​ ​Proteção​ ​Ambiental Bororé-Colônia​ ​e​ ​Capivari-Monos

*​ ​Território​ ​Indígena​ ​Guarani​ ​Tenonde​ ​Porã

*​ ​União​ ​de​ ​Hortas​ ​Comunitárias​ ​de​ ​São Paulo

FACE: https://www.facebook.com/direitoalimentacaodeverdade/

 

Nota de repúdio dos chefs e profissionais da área sobre a Farinata

banqueteNÓS, cozinheiros e profissionais ligados à alimentação, abaixo assinados, vimos a público manifestar nosso REPÚDIO à tentativa da Prefeitura Municipal de São Paulo de criar um alimento ultra processado, destinado à alimentação popular, em especial às populações carentes e aquelas em idade escolar.

Esta tentativa contraria todos os conhecimentos modernos sobre a nutrição e alimentação, que orientaram a formulação de políticas públicas baseadas em boas práticas, e que ligam a agricultura ao prato de comida servido pelo poder público.

Políticas públicas e legislação compatível com as necessidades nutricionais das crianças e populações carentes existem em profusão, e se não são adotadas é porque a Prefeitura Municipal de São Paulo não cumpre aquilo que é mandatório.

CONCLAMAMOS portanto toda a população, e em especial aqueles trabalhadores da cadeia alimentar, a cerrar fileiras em torno da alimentação popular saudável, natural, orgânica e socialmente justa, como o único caminho de conquista do bem comum em matéria alimentar.

15 de novembro de 2017,

128º ano da Proclamação da República

Alex Atala

Ana Luiza Trajano

Ana Massochi

Ana Paula Jacques

Ana Soares

Beatriz Marques

Bela Gil

Benny Goldenberg

Beto Ricardo

Breno Raigorodsky

Carlos Alberto Dória

Checho Gonzales

Cintia Bertolino

Clovis Dorion

Daniela Bravin

Daniela Lisboa

Débora de Carvalho Pereira

Eugenio Mbee

Fabiana Sanches

Francisco Santana

Felipe Brescancini

Fernanda Valdivia

Gabriela Barretto

Gustavo Rodrigues

Georges Schnyder

Helena Rizzo

Heloisa Bio

Isabel Coelho

Ivan Ralston Bielawski

Ivan Santinho Pinheiro

Janaina Fidalgo

Josimar Melo

Lisandra Amaral

Lucas Terribili

Mara Sales

Marcelo Correa Bastos

Marie France Henry

Marilia Sriubas

Marilia Zylbersztajn

Milton Freitas

Neide Rigo

Neka Mena Barreto

Nina Horta

Olivia Fraga

Patricia Moll

Paola Carosella

Paula Feliciano

Pedro Marques

Ricardo Maranhão

Ricardo Santinho Pinheiro

Rinaldo Zaina Jr

Rodrigo Levino

Sophie Deram

Telma Shiraishi

Veridiana Mott

FACE:  https://www.facebook.com/direitoalimentacaodeverdade/

Nota Pela Implementação do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional

banquete

  1. BANQUETAÇO é uma demonstração prática do que é COMIDA DE VERDADE DO CAMPO

À CIDADE, e de como é possível produzir uma alimentação de qualidade, biodiversa e com base em alimentos in natura; gerando preparações culinárias de baixo custo, utilizando os alimentos integralmente para alimentar a população em situação de vulnerabilidade e crianças em idade escolar, concretizando plenamente o Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA).

  1. BANQUETAÇO é um clamor pela mobilização popular em defesa de políticas públicas definidas e que fortalecem práticas produtivas agroecológicas, comercialização e o consumo de alimentos naturais e saudáveis. Para tanto, exige que a Prefeitura adote imediatamente as metas preconizadas no 1º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (2016-2020).
  2. BANQUETAÇO é uma reivindicação pública para exigir a revogação da Lei 16.704/2017, que permite ao Poder Público celebrar contratos e convênios com entidades produtoras/distribuidoras de “farinata” e derivados processados e ultraprocessados.

NOTA PUBLICA

NO MOMENTO em que o Brasil corre o risco de voltar ao Mapa da Fome da FAO/ONU, pela perda do poder aquisitivo da população em função da crise econômica em que vivemos; NO MOMENTO em que verifica-se na cidade de São Paulo casos de morte por desnutrição em vários distritos (Brasilândia, Ermelino Matarazzo, Jabaquara e Itaim Paulista);

NO MOMENTO em que São Paulo é reconhecida internacionalmente por seu Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional e por seu esforço na valorização das Zonas Rurais como estratégicas para responder aos desafios de uma grande cidade;

É HORA de soterrar as maneiras irresponsáveis e aventureiras de enfrentar o problema da alimentação das populações de baixa renda. É hora de garantir-lhes a possibilidade de estarem livres da fome e da desnutrição, por meio do acesso a uma alimentação adequada e saudável que respeite a dignidade e os valores culturais e humanos de que são portadores e a soberania alimentar, sem serem descaracterizados pelos interesses conflitantes do sistema alimentar industrial.

A alimentação saudável, longe de ser uma mera equação nutricional, é um Direito Humano, que prevê a garantia de acesso permanente e regular e que exige o atendimento simultâneo de necessidades biológicas e culturais da cidadania.

RESSALTAMOS, portanto, que as políticas públicas, como o 1o. Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional da cidade de São Paulo (PLAMSAN 2016-2019), o Programa de Agricultura Urbana e Periurbana (PROAURP), o Plano de Inserção Gradativa de Orgânicos na Alimentação Escolar (previsto na Lei 16.140/2015), entre outras, são adequadas para garantir a plena realização alimentar dos paulistanos, caso adotadas e implementadas pelas autoridades públicas a que competem, de acordo com a ética pública.

CONVOCAMOS população, autoridades responsáveis, mulheres e homens de toda a cidade, a defender o Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA), exercer a cidadania e o controle social da atuação do Estado, denunciar qualquer violação desse direito e reivindicar uma alimentação digna, saudável e adequada para todos os cidadãos dessa cidade.

PELA REVOGAÇÃO DA LEI DA FARINATA (LEI 16.704/2017) E PELA IMPLANTAÇÃO IMEDIATA DO PLAMSAN COM PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL!!!

Leia: Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional

%d blogueiros gostam disto: